• Afonso C S Guimarães (*)

    11 Jan, 2019

    RAIO FATAL "Qui 10/01/19 - 10h07 - Não chovia. Mas, o raio se antecipou, e matou mãe e filha que colhiam frutas". Nunca é demais nos prevenirmos contra acidentes com energia elétrica. Esta notícia, publicada anteontem pelo G1, confirma mais ainda o grande risco que é ficar em campo aberto e/ou praia, quando houver formação de chuva ou tempestade, principalmente se não houver pára-raios nas proximidades. O certo e seguro, nessa situação, que sempre é percebida através dos sinais das condições atmosféricas (ventos, mudanças de temperatura, nuvens mais volumosas, tempo mais nublado, relâmpagos, trovões), ou das previsões do tempo e dos alertas da Defesa Civil, é não ficar próximo de árvores, cercas, torres metálicas e redes elétricas, se abrigar sempre, em algum imóvel (casa, apartamento, prédio etc.), desligar os eletro-eletrônicos das tomadas e não tocar em nada que esteja ligado, direta ou indiretamente, à rede de distribuição de energia elétrica até que passe a tempestade. Segurança nunca é demais! (*) Engenheiro Eletricista https://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/2019/01/09/mae-e-filha-morrem-atingidas-por-raio-enquanto-colhiam-frutas-em-sp.ghtml

  • Afonso Cláudio

    10 Jan, 2019

    Saudades da Rua Dr. Veloso e adjacências Morei na Rua Dr. Veloso, 909, de 1949 até 1965, e tenho muitas saudades daquele tempo. Tenho lido nos Murais muitas histórias bonitas sobre as recordações dos montesclarenses e, antes de falar sobre a vizinhança da Dr. Veloso 909, devo contar um pouco da minha história pessoal e da minha família, para facilitar o entendimento da nossa ligação a Montes Claros e região. Agradeço muito a Deus pelas famílias maravilhosas das quais eu, minha esposa e filhas descendemos: Prates, Guimarães, Soares, Teixeira, Souza, Lima, Rodrigues, Veloso, Fernandes e Alkmim. Nossas raízes familiares estão fincadas em Montes Claros, Bocaiuva e regiões de Janaúba, Grão Mogol, Itacambira e Mirabela há mais de dois séculos. Sou filho de Pedro Prates Guimarães, escrivão e tabelião, falecido em 14/11/2013, e Araci de Souza Guimarães, falecida em 09/02/2013. Meus irmãos: Eduardo Frederico, Luiz Victor (falecido em 26/12/1971) e Andréa Márcia (falecida em 26/01/2013). Minha esposa, Maria Petronilha (Pete) e filhas Cláudia, Luciana e Cristina. Em 1954 frequentei o Jardim de Infância das Irmãs Mercedárias, na Rua João Pinheiro, em frente ao Grupo Francisco Sá, sob a orientação da Irmã Terezinha. Em 1955 fiz o Pré-primário no Colégio Imaculada Conceição, na Av. Cel. Prates, tendo como orientadora a Irmã Maria Salete. Entre 1956 e 1959, o Curso Primário no Grupo Escolar Dom João Pimenta, quando este era situado na esquina das Ruas Governador Valadares e Simeão Ribeiro, sendo minhas professoras Ivone Madureira, Marlene Pimenta, Angélica Soares Veloso e Dulce Aguiar. O Curso Ginasial, entre 1960 e 1963, na Escola Normal da Rua Cel. Celestino, meu trisavô. Cito alguns excelentes professores, com muita gratidão e orgulho: José Amâncio, Valdir Rametta, Francolino Santos, João Luiz de Almeida Filho, Ellen Jane Crosland Guimarães, Terezinha Guimarães, Zorilda Madureira, José Márcio, Juvenal Caldeira, Pedro Martins Santana, Yvone Silveira e Piloto. Em 1964 me transferi para o Colégio Estadual de Minas Gerais, em Belo Horizonte, onde concluí o Curso Científico em 1966 e Engenharia Elétrica, na UFMG, em 1972, retornando para trabalhar em Montes Claros, em 1973, em definitivo. Trabalhei na Transit Semicondutores, Biobrás, em Moc, e CEMIG, em Moc e Governador Valadares, tendo me aposentado em 1996. Desde que nasci, em 1949 (pelas mãos santas da Irmã Beata, graças a Deus), até 1965, morei na Rua Dr. Veloso, 909, aqui em Moc, desfrutando das salas dos Cines Cel. Ribeiro, Fátima e São Luis, da Praça de Esportes e trabalhando no Fórum Gonçalves Chaves. A Praça Coronel Ribeiro era meu local de lazer preferido. Lembro, por exemplo, do dia do suicídio do Presidente Vargas (eu tinha 5 anos e só fui entender o que ocorreu alguns anos depois), devido aos intensos comentários nessa Praça e quando ouvi as transmissões da Copa do Mundo de 1958, na Suécia, através de um alto falante instalado no Cine Cel. Ribeiro, comendo pipoca feita pelo Sr. Custódio. Sábado e Domingo: Catequese, ministrada pelos Irmãos Maristas, Confissão e Missa Dominical, na Catedral de Nossa Senhora Aparecida. Sempre, nas festas juninas da nossa casa, eram comemorados o meu aniversário (fogueira de Santo Antônio) e do meu irmão Luiz (fogueira de São Pedro). Tenho lembranças inesquecíveis de muitos amigos da nossa família, que também moravam na Rua Dr. Veloso e próximo dela: Sr. Walter Viana e D. Mundica, D. Adelina Xavier e Sr. Paulo Venuto, Sr. Henrique Zuba e D. Iede, Sr. Décio Gonçalves e D. Francisca, Sr. Walter Nobre e D. Ercília, Sr. Zeca Silveira e D. Carmélia e os filhos desses casais, que também eram muito amigos nossos, como verdadeiros irmãos. Depois, antes de me casar em 1974, morei com meus pais e irmãos na Rua João Souto, próximo à Praça Cel. Ribeiro, onde nossa família se tornou muito amiga da família do Dr. Gilberto Veloso e D. Stael Ladeia e dos seus filhos Cláudio, Mônica e Isabela. Nossa cidade cresceu muito e as pessoas vão se desencontrando, com o passar de tantos anos, mas sempre vamos relembrando os amigos, parentes e conhecidos, com os quais convivemos numa época em que as famílias formavam quase que uma única família com seus vizinhos e, como se diz, recordar é viver. Outras lembranças da Praça Cel. Ribeiro Na lista dos casais amigos da minha família paterna não poderia deixar de incluir o Dr. Emerson Tardieu Aguiar Pereira, Juiz de Direito, Professor da Faculdade de Direito da Unimontes, falecido em 21/01/2014, e sua esposa, D. Maria Arminda, que residiram na Praça Cel. Ribeiro, na esquina das Ruas Tiradentes e Bocaiuva. Eles eram muito amigos dos meus pais e da família da minha saudosa e querida tia Maninha (Maria Aparecida Guimarães Maldonado) e dos meus primos, seus vizinhos da Rua Bocaiuva. E como a minha esposa, Pete, que morava na Rua Januária/São Francisco, próximo à casa deles, estudou naquela Faculdade, o citado casal tinha também muita amizade com ela, sendo que ambos são nossos padrinhos de casamento. Seus filhos, Emerson Jr., Maria Clara e Ana Rita, residem em BH, bem como D. Maria Arminda. Outras lembranças interessantes da região da Praça Cel. Ribeiro, desde os anos 50 até 1972, de locais que frequentei muito: a lanchonete Montanhesa, o bar do Sr. Fifi Freire (depois do Sr. Osório, que depois passou para a Churrascaria Mineira, no mesmo edifício que morei na Rua João Souto até 1972), o bar do Sr. Nelson Vilas-Boas (foi lá que ouvi, em 24/8/1954, o zum-zum-zum sobre o suicídio do Presidente Getúlio Vargas), a sorveteria do Sr. Nelson Alkmim, o Hotel São José, onde se hospedavam muitos famosos (exemplo: o cantor Cauby Peixoto, lá pelos idos de 1960-62, quando iria se apresentar no Cine Fátima) e o Cine Cel. Ribeiro, inaugurado em 5/12/1944, onde eu era assíduo frequentador, desde muito pequeno, a partir dos anos 50. Lembro, por exemplo, quando foi inaugurada a tela panorâmica, conhecida por Cinemascope, em 19/6/1955, que fez muito sucesso. Tantos filmes e seriados inesquecíveis que vi lá, onde, inclusive, recebi o certificado de conclusão do curso ginasial, em 13/12/1963. Sobre cinemas de Montes Claros e filmes exibidos, merece muito ser lida a mensagem 41621, de 15/12/2008, "Álbum de fotos", de Raphael Reys, no montesclaros.com. Homenageio o amigo Roberto Lima; em mensagem de 02/6/2017, no montesclaros.com - Grande Roberto Lima - assim disse o jornalista Alberto Sena: "Roberto foi o mesmo Roberto da década de 60, em termos de índole, caráter, essas particularidades que fazem o homem – e a mulher – ficar em pé íntegro, com dignidade. Roberto, enfim, era (é) uma alma boa que viveu entre nós. Ele dava de si às pessoas. No FB estão os registros de sua ação caritativa. Afinal, “A caridade é a plenitude da Lei”. - Ele também morou na Rua Dr. Veloso, como eu, e faleceu em 01/6/2017. Tive o privilégio de conviver com ele e o Ronaldo, seu irmão, na infância e em parte da adolescência, mas nossas trajetórias mudaram em 1964, quando fui para BH para estudar, voltando em 1973 para Moc. Muitos parentes e amigos, que moravam naquela Rua, já foram para a Casa do Pai, como o Roberto, e permanecem para sempre na nossa memória e em nossas orações. Como disse, naqueles quarteirões as famílias se conheciam e conviviam como uma só família praticamente. Fica uma grande saudade e a certeza de que nos encontraremos do lado de lá, na Eternidade, se Deus quiser. Feliz 2019 e um grande abraço para todos. Afonso Cláudio de Sousa Guimarães - Engenheiro

  • General espera Zema na audiência sobre segurança em Montes Claros

    09 Jan, 2019

    O governador Romeu Zema poderá estar em Moc, no dia 25 de janeiro, para a audiência pública sobre segurança pública, em iniciativa do general Mário Lúcio Araújo, secretário estadual de Segurança Pública. O general é o único montes-clarense a fazer parte do secretariado estadual do atual governo, ele que foi indicado pelo Novo e empossado no dia 2 de janeiro. A previsão é do evento começar às 14h no auditório da OAB e, depois, com os prefeitos do Norte de Minas no auditório da AMAMS.

  • Afonso Cláudio

    30 Dec, 2018

    30/12/2018, sábado, dia da Sagrada Família. Conforme as tabelas de "Chuvas em M. Claros, mês a mês, de 1906 a 2012", a média INMET, relativa aos 107 anos, é 1053,7 mm de volume de chuvas por ano. Ao contrário de 2017, quando o total acumulado foi 447 mm, correspondente a apenas 42,42% da média INMET, em 2018 tivemos, até hoje, um total acumulado muito próximo de 1000 mm em Montes Claros, ou seja, mais do que o dobro do ano anterior, graças a Deus. Feliz 2019, com chuvas de bênçãos da Sagrada Família para todos nós!

  • Museu das Culturas à margem do Velho Chico

    29 Dec, 2018

    Uma das mais tradicionais e imponentes construções do sertão mineiro, com mais de um século de história, tornou-se oficialmente Museu das Culturas do Rio São Francisco. No local funciona também o Centro Educacional de Buritizeiro, da Fucam, instituição que completou 70 anos de existência em 2018. A oficialização do museu é uma iniciativa do Governo do Estado, por meio da Portaria 010/2018 da Fucam, publicada em 21 de novembro de 2018. Em 1° de setembro o casarão já havia sido tombado como Patrimônio Histórico Estadual de MG.

  • Presidente do PT acusa governador de traição

    24 Dec, 2018

    O presidente do Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores (PT), Paulo Rogério Silveira, acusou o governador Fernando Pimentel de traição, no episódio da nomeação do reitor e vice-reitor da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). Através de mensagens em um aplicativo, o dirigente petista considerou uma traição a escolha do padre Antonio Avilmar e da professora Ilva Ruas para o reitorado, afirmando que Pimentel não teve o mínimo de respeito com o partido em Montes Claros. A publicação do ato, na última sexta-feira (21), surpreendeu o PT de Montes Claros, que espera para a edição do Diário Oficial de sábado a nomeação de seus candidatos. Paulo Rogério é aparentado do professor Romulo Barbosa.