• JESSICA CRISTINE DIAS ACACIO

    21 Jul, 2019

    Boa tarde! Meu nome é Jéssica Cristine sou nutricionista e gostaria de enviar uma pauta sobre nutrição e saúde. Como onde devo enviar? Atenciosamente.

  • Wpublicity

    20 Jul, 2019

    Olá meu nome é Rodrigo, Sou especialista em criação de Site e Loja Virtual. Envio essa proposta para você, eu crio um novo site para você, um site moderno e que abre em celulares perfeitamente, um site especializado que vai dar mais credibilidade para sua empresa e vai trazer mais clientes. Por R$ 300,00 reais. Segue exemplos: www.avaliacao.com.br www.assessoriafreire.com.br www.codibrasfitas.com.br Segue o meu contato vamos melhorar a imagens de sua empresa: Whatsapp: (11) 94466 - 8508 Cel: (11) 97779 - 4381 rodrigo@wpublicity.com.br

  • Afonso Cláudio

    20 Jul, 2019

    Redução de crimes violentos em Minas Gerais - Analisando matérias do "Estado de Minas", "G1/MG" e "O Tempo", de 17 e 18/7/2019, sobre redução de crimes violentos em Minas Gerais, por comparação dos primeiros semestres, de 2012 a 2019, verifica-se que o número de ocorrências em 2012, que foi 36.750, chegou a 73.127 em 2016 e caiu para 34.379 em 2019 (-53%). Houve uma redução de 26,8%, no 1º semestre de 2019 (34.379), em comparação com o 1º semestre de 2018 (46.987), com destaque para vítimas de homicídios (18,1%), roubo consumado (28,52%), estupro tentado (38,2%), estupro consumado (10,1%) e homicídio tentado (18,6%). Mas os 3 órgãos de imprensa acima citados questionaram o fato de os casos de feminicídio, que subiram em relação a 2018, não aparecerem no balanço da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública, embora a taxa de crimes violentos em Minas seja a menor nos últimos 8 anos. O Secretário, General Mário Araújo, disse que é possível incluir a tipificação de crimes como racismo, homofobia e feminicídio nas próximas estatísticas: "Podemos trabalhar esse indicador, mas vai ser novo daqui para a frente", disse ao G1/MG. "Temos estruturas trabalhando muito nisso, inclusive na mediação de conflitos envolvendo casais. Identificamos o problema, entramos com medidas protetivas e trabalhamos muito na prevenção", disse o Secretário ao "O Tempo". Conforme matéria do MG1-BH, de 23/5/2019, até essa data, 42 mulheres foram mortas em Minas neste ano, vítimas de feminicídio (dados da SESP), sendo 5 na Capital. Em 92% dos casos os criminosos são companheiros e ex-companheiros delas. E desde que a lei do feminicídio foi sancionada em 2015, 604 mulheres foram assassinadas em Minas, 36 delas em BH. O "Estado de Minas" de 26/5/2019 informou 622 feminicídios em igual período, sendo 52 em BH. Afonso Cláudio de Souza Guimarães - Engenheiro

  • Cemig Distribuição

    19 Jul, 2019

    CEMIG DISTRIBUIÇÃO 19/07/2019 09:36:27 A Cemig realizará manutenção na rede elétrica em Montes Claros 21/07/2019. Para isso, o fornecimento de energia elétrica será interrompido , de 12: 30 0 às 16:30 no bairro Sagrada Família. Caso os serviços sejam concluídos antes dos horários indicados, o fornecimento de energia será restabelecido. Por medida de segurança os equipamentos devem ser considerados energizados no período citado

  • Cemig Distribuição

    18 Jul, 2019

    Pipas prejudicaram fornecimento de energia para 750 mil residências mineiras em 2018 De janeiro a abril deste ano, a brincadeira causou quase 364 interrupções no sistema elétrico da Cemig Soltar pipa é uma brincadeira muito popular em Minas Gerais, mas ela precisa ser acompanhada de perto pelos pais e responsáveis para não trazer riscos à segurança da população. Somente no ano passado, ocorreram 2.202 ocorrências na rede elétrica na área de concessão da Cemig, prejudicando 750 mil unidades consumidoras, residenciais e comerciais. Destas, 131 foram na região Triângulo, afetando 30.168 unidades Consumidoras. Nos primeiros quatro meses de 2019, na Região Triângulo, foram registrados 33 desligamentos provocados pelo contato de pipas com a rede elétrica, prejudicando mais de 3.724 famílias. O uso do cerol – mistura cortante feita com cola, vidro e restos de materiais condutores – é um dos principais causadores dos desligamentos, pois rompem os cabos quando entram em contato com a rede elétrica. Além disso, muitos curtos-circuitos são provocados pela tentativa de retirada de papagaios presos aos cabos. De acordo com o engenheiro Segurança do Trabalho Demetrio Aguiar, da Cemig, alguns procedimentos devem ser adotados para que não haja risco à segurança nem ocorram interrupções no fornecimento de energia durante a brincadeira. “As pipas devem ser empinadas em locais abertos e afastados da rede elétrica. Jamais se usa fios metálicos ou cerol e, caso a pipa fique presa, não Se pode tentar resgatá-la”, orienta. Ainda, Demetrio Venicio Aguiar alerta sobre os riscos de um tipo de cabo cortante feito em escala industrial, chamado de “linha chilena”, que, por ser um produto industrial, é mais perigoso que o cerol. Tanto o cerol quanto a “linha chilena” podem causar acidentes graves com as pessoas que os manipulam e também ocasionar acidentes com terceiros, especialmente motociclistas. Acidentes graves Demetrio Venicio Aguiar conta que a maioria dos acidentes acontece quando o papagaio fica preso na rede elétrica e as crianças tentam retirá-lo utilizando materiais condutores, como pedaços de madeira ou barras metálicas. O contato com a rede elétrica pode ser fatal, além do risco de queda em função da reação involuntária causado pelo choque elétrico. Nesses casos, as consequências mais comuns são traumatismos, devido às quedas, e queimaduras graves por causa dos choques. O engenheiro chama a atenção, ainda, para o fato de que o uso do cerol pode transformar uma simples linha de papagaio em um material condutor e provocar choque elétrico ao entrar em contato com a rede. Além disso, muitas crianças amarram as pipas com arames e fios. “São materiais altamente condutores de energia e que acabam sendo energizados quando tocam os cabos de energia, causando o choque elétrico”, explica Demetrio Venicio Aguiar. Crime e multa A lei estadual 14.349/2002 proíbe o uso de cerol ou de qualquer outro tipo de material cortante nas linhas de pipas, de papagaios, de pandorgas e de semelhantes artefatos lúdicos, para recreação ou com finalidade publicitária, em todo o território do Estado de Minas Gerais. Quem for flagrado usando cerol ou linha cortante está sujeito ao pagamento de multa, que varia de R$ 100 a R$ 1,5 mil, podendo ser agravada. Além disso, quando menores são flagrados usando cerol e o material provoca acidente, os pais podem ser penalizados por danos a pessoa física, ao patrimônio público ou à propriedade privada.

  • Cemig Distribuição

    17 Jul, 2019

    Cemig consegue redução na tarifa de energia do cliente em 1% Ação movida pela Companhia obteve exclusão do ICMS da base de cálculo dos tributos Pasep e Cofins, cobrados no fatura As contas de energia de clientes da Companhia Energética de Minas Gerais – Cemig podem ter redução de aproximadamente 1% a partir deste mês. Uma ação movida pela Companhia junto ao Tribunal Regional Federal da Primeira Região obteve decisão favorável, reconhecendo o direito de excluir o ICMS da base de cálculo do Pasep e Cofins na fatura. De acordo com o gerente de Tarifas da Cemig, Giordano Bruno, no contexto da decisão judicial, a não-incidência do ICMS na base de cálculo do Pasep e Cofins representará na prática uma redução média de aproximadamente 1% no valor das faturas dos clientes residenciais atendidos da Cemig Distribuição, o que impactará positivamente no orçamento da maioria das famílias. “Apesar da boa notícia, sempre ressaltamos que a economia mais expressiva ocorre quando consumimos a energia de modo consciente, sem desperdícios. Bons hábitos na utilização da energia, obtidos sem muito esforço, geram redução imediata no valor das contas”, lembra o gerente. Segundo o diretor de Finanças e Relações com Investidores da Cemig, Maurício Fernandes Leonardo Júnior, desde a divulgação da sentença, a empresa está analisando os impactos jurídicos e tributários desse efeito retroativo, que envolve, dentre outros, o cálculo dos créditos tributários e a forma de compensação e recuperação de créditos. Composição da fatura Do valor cobrado na tarifa, 29,5% se referem a tributos, como Cofins, Pasep e ICMS, e apenas 22,4% ficam na Cemig Distribuição para remunerar o investimento, cobrir a depreciação e o custeio da empresa. Conforme esclarece Giordano Bruno, os demais 48,1% são utilizados para cobrir encargos setoriais (12,9%), energia comprada (29,3%) e encargos de transmissão (5,9%).