Campo Experimental: equipe apresenta resultados prévios do projeto

A diretoria do Sindicato dos Produtores Rurais de Montes Claros acompanhou, na manhã de segunda-feira (14), apresentação dos resultados prévios das pesquisas desenvolvidas no Campo Experimental da entidade. As pesquisadoras Leidy Rufino e Inez Silva mostraram dados sobre o plantio e colheita de diversas variedades de forragens (capins e palmas) e gramíneas anuais (milho, milheto e sorgo), bem como o processo que envolve a seleção das espécies estudadas. Também foi feita uma visita guiada pela fazenda, quando os diretores puderam conhecer a área de plantio e tirar dúvidas sobre o trabalho realizado.

De acordo com o pesquisador e gerente do Campo Experimental, José Tadeu Alves da Silva, a pesquisa em forrageiras surgiu em 2009, quando o então presidente do Sindicato Rural, Ricardo Laughton, procurou a Epamig para uma parceria. "Nosso objetivo é poder orientar os produtores da região em como manejar as pastagens e selecionar as melhores espécies para serem plantadas, minimizando o problema da irregularidade de chuvas na região", explica.

Atualmente, o Instituto CNA e a Embrapa desenvolvem o projeto Forrageiras para o Semiárido no local. Além da região norte de Minas Gerais, a iniciativa foi implantada em todos os estados da região nordeste, e conta com 13 Unidades de Referência Tecnológica (URTs) representativas do semiárido brasileiro. O Projeto avalia o potencial produtivo e a adaptação das plantas forrageiras às condições climáticas do semiárido para recomendação de novas opções de fonte de alimento para os rebanhos.

"Uma importante ferramenta para o produtor é o aplicativo Orçamento Forrageiro, que auxilia o produtor na gestão e no manejo das forrageiras da propriedade", explica a responsável técnica Inez Silva. "A iniciativa possibilita o aumento na renda do produtor e o estímulo à atividade agropecuária com mais qualidade de vida no semiárido", afirma.

Para o presidente do Sindicato Rural de Montes Claros, José Avelino Pereira Neto, as informações apresentadas pelas pesquisadoras são animadoras. "Acreditamos que, em breve, poderemos utilizar os resultados das pesquisas em benefício dos produtores rurais da nossa região. O cultivo de forrageiras resistentes ao nosso clima é um fator que pode alavancar a pecuária do Norte de Minas, que já possui aptidão para a atividade", reforça.

Enquanto os resultados oficiais das pesquisas não são divulgados, os produtores podem visitar o Campo Experimental para conhecer o trabalho e saber mais sobre as espécies estudadas. "Basta entrar em contato para agendar uma visita. Estamos prontos para receber os pecuaristas, apresentar as nossas pesquisas e tirar dúvidas a respeito das culturas aqui estudadas", convida Inez. O Campo Experimental do Sindicato Rural fica no KM 516 da BR 251 e o telefone é o (38) 98815-2725.