Pesquisadores do Nordeste realizam treinamento sobre a Palma Forrageira no Norte de Minas

 

Cerca de 40 profissionais entre eles, instrutores do Senar Minas, técnicos da Faemg, Emater, Epamig, Sebrae, Unimontes, IFNMG, dentre outros parceiros do ‘Programa Palmas para Minas’, participaram em Nova Porteirinha de capacitação técnica sobre a Palma Forrageira. Eles vão trabalhar em capacitações, treinamentos e dar assistência técnica aos produtores no plantio de lavouras de palmas, que serão usadas no reforço alimentar dos animais nas propriedades rurais do Norte de Minas e Vale do Jequitinhonha, que vivem a pior seca dos últimos 40 anos, com perda de cerca de 100% das pastagens e redução de 40% do rebanho bovino.

Os técnicos foram orientados sobre a fisiologia, variedades, espécie e plantio da palma; controle de ervas, pragas e doenças; cálculo de dietas, adubação, colheita e formas de uso da palma. Modelo físico de propriedades com alimentação a base de palma para bovinos e caprinos e prática em campo.

Para o instrutor de Alimentação e Nutrição Animal do Senar Minas, Fernando Etiene Pinheiro, a capacitação proporcionou um melhor conhecimento sobre o cenário do agronegócio no contexto social, econômico e climático. Segundo ele, reconhecer as necessidades de mudanças adequadas e tomar atitudes sensatas são passos importantes e determinantes para mudar a realidade atual da região, que é bastante difícil e árdua, apesar das perspectivas de um futuro promissor.

"O treinamento foi importante para nós, que atuamos no Norte de Minas, pois nos proporcionou pensar no semiárido, mais especificamente, e refletir sobre a magnitude e seriedade do Programa ‘Palmas para Minas’, percebemos nos ‘estudos preliminares, que a Palma, com sua alta produtividade, boa tolerância à seca e seu bom perfil nutricional, pode se tornar uma ótima alternativa para o futuro da pecuária regional, bem como para o futuro do agronegócio, que indiscutivelmente, já é destaque na economia nacional", disse o instrutor.

Para o Gerente Regional Dirceu Martins, a capacitação dos técnicos foi importante, pois levantou aspectos relevantes sobre a adaptação da cultura na região e agora cada parceiro, dentro de sua habilidade vai construir um caminho para avançar no Programa Palmas para Minas. Contribuindo assim, com os produtores rurais e viabilizando mais uma alternativa de convivência com o Semiárido. Com informações do Senar Minas. (AF)