Produtores de queijo Minas artesanal comemoram Selo Arte

Produtores do queijo Minas artesanal, atendidos pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), vinculada à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), estão comemorando decreto federal, publicado neste mês, que regulamenta o chamado Selo Arte. A chancela vai permitir a venda interestadual de produtos alimentícios artesanais como queijos, mel e embutidos, atendendo antiga reivindicação dos fabricantes. A expectativa é maior expansão do mercado e consequente aumento da renda com a atividade.

“Quanto mais expandir o mercado, melhor. O selo vai agregar mais valor, tornar o queijo mais conhecido e, claro, aumentar a renda”, argumenta o produtor familiar Elias Côrtes de Almeida, do município de Cruzeiro da Fortaleza, na região do Cerrado. Representante da terceira geração de uma família de produtores de queijo Minas artesanal, Elias é proprietário da Queijaria Vô Joaquim. O empreendimento já é cadastrado no Instituto Agropecuário de Minas (IMA) há dois anos.
“Se o produto pode ser consumido por mineiros, por que pessoas de outros estados não poderiam”?, questiona.  Produzindo cem quilos por dia, com a ajuda da noiva Bruna Cunha Barbosa, Elias ainda não pretende aumentar a produção. Segundo ele, “por falta de recursos”, mas promete continuar a investir na melhoria da qualidade de seu produto.  Ele avalia que vender o queijo para outros estados não seria difícil. “Tenho clientes garantidos em São Paulo e Brasília, além de Cruzeiro da Fortaleza e Patos de Minas”, explica.
Outro produtor, Reinaldo Antônio de Lima, de Araxá, também festeja a iniciativa. “O Selo Arte será uma ferramenta de extrema importância para o produtor agregar valor ao seu produto e vai atender a um anseio que a gente tem pela liberdade de comercializar para todo o território nacional. Costumamos dizer que é a Lei Áurea do queijo, pois vamos ocupar uma vaga que hoje é preenchida pelo queijo clandestino. No país, 90% do produto é clandestino”, afirma.
Com produção familiar de 35 a 40 queijos por dia, Reinado vive da atividade há seis anos e já possui o cadastro no IMA. Sua expectativa agora é de que esse reconhecimento estadual se torne um passaporte garantido para o acesso ao carimbo federal.   
“Há muito tempo eu bato nessa tecla: precisamos levar o nosso queijo para todo o Brasil”, festeja, igualmente, o produtor da região Serra do Salitre, no município do mesmo nome, Geraldo Moreira da Silva. Agricultor familiar, Moreira aprendeu o ofício dos pais, que, por sua vez, herdaram o saber dos avós dele.

Dono da Queijaria Catulés, Geraldo e família produzem diariamente 110 quilos de queijo Minas artesanal. O produto batizado de queijo Catulé ficou em quarto lugar no Concurso Estadual de Queijo, em 2016. Sua queijaria foi a primeira do estado a ser cadastrada no IMA, segundo ele. Seu produto é comercializado na região de origem e no Mercado Central de Belo Horizonte, mas Moreira não disfarça que está de olho no mercado paulista.