ACI participou das propostas de flexibilização em Minas Gerais

A Associação Comercial e Industrial de Montes Claros participou da elaboração das propostas apresentadas pela Federação das Associações Comerciais de Minas Gerais (Federaminas) para uma ágil recuperação econômica de Minas Gerais após a pandemia. O presidente Leonardo Vasconcelos explica que a primeira sugestão é do Governo criar um Fundo Garantidor para empréstimo as empresas com reais dificuldades, para que as mesmas tivessem acesso ao credito, mesmo para as empresas que estivessem sem as CNDs em dia.  A segunda sugestão é de repactuar os impostos no período da pandemia, por um período longo de cinco anos com uma carência de pelo menos um ano.

Por fim, apoiar as escolas particulares, que neste período tiveram uma evasão muito grande de alunos, para que as mesmas pudessem repassar esses benefícios aos alunos. “A prova de que a união faz a força foi a elaboração, em tempo recorde, do documento Propostas da Federaminas para uma ágil recuperação econômica do Estado de Minas Gerais após a pandemia. Um trabalho que envolveu toda a equipe da entidade atuando em conjunto para incluir as mais variadas demandas das Associações Comerciais e Empresariais (ACEs), tudo isso reunido em um curto espaço de tempo”, explica a Federaminas.

Durante a reunião, o secretário-adjunto de Desenvolvimento Econômico, Fernando Passálio, solicitou o apoio da Federaminas para enviar sugestões para a retomada econômica do Estado pós-pandemia. Valmir Rodrigues garantiu que o prazo para entregar o documento – menos de 24 horas – seria cumprido. E foi. O presidente entregou ao governador do Estado, Romeu Zema, na tarde desta quinta-feira (30/07), as propostas de retomada da economia para Minas.

“Faço questão de agradecer e demonstrar todo o orgulho que tenho da nossa equipe, que se empenhou ao máximo, bem como destacar a atuação incrível das Associações Comerciais e Empresariais, que sempre têm exposto demandas assertivas para o setor. Esse é o resultado que se espera de um trabalho em parceria quando todos têm propósitos em comum, pois queremos ver Minas Gerais voltar a figurar no topo dos estados mais fortes economicamente”, disse Valmir Rodrigues.

O documento contém sugestões nas áreas tributária, fiscal, administrativa, solicita investimentos para o turismo, feiras e eventos, Arranjos Produtivos Locais, startups, aponta caminhos para o perdão ou o parcelamento de dívidas, e pede a prorrogação da cobrança de impostos. São várias ideias para que as empresas, principalmente as micro e pequenas, tenham forças e condições de se reerguerem após a pandemia. (GA)