Arquidiocese pede apoio para a clínica solidária

O arcebispo metropolitano dom João Justino Medeiros da Silva conclamou todas as paróquias de Montes Claros a darem apoio ao projeto da Clínica Solidária Nossa Senhora Rosa Mística, que presta atendimento médico humanizado á população de baixa renda, conforme Nota de Esclarecimento divulgada pela Arquidiocese de Montes Claros. A clínica está no meio de uma polêmica, pois recebeu um terreno da Prefeitura e a Associação dos Moradores considera uma área verde, onde não poderia ser feita qualquer construção. Na ação é questionado que o terreno a princípio foi doada à Igreja Nossa Senhora Rosa Mística, quando na verdade foi doada à uma associação privada.

Na nota de esclarecimentos, o arcebispo afirma que “a Arquidiocese de Montes Claros apoia por meio de suas paróquias, inúmeras iniciativas filantrópicas nos mais diversos serviços de cunho social. Uma delas é a Associação Clínica Solidária Nossa Senhora Rosa Mística, entidade criada a partir da ideia de fiéis leigos, especialmente profissionais da saúde, e de religiosos premonstratenses, e que tem como finalidade favorecer atendimento médico humanizado à população de baixa renda”. Afirma ainda que “para essa associação, a colaboração da Arquidiocese de Montes Claros se dá, sobretudo, com a permissão de que a clínica utilize, de maneira gratuita e provisória, parte do espaço físico da igreja matriz da Paroquia Nossa Senhora Rosa Mística”.

Porém informa que “importa ressaltar que a Associação Clínica Solidária Nossa Senhora não é juridicamente vinculada à Arquidiocese de Montes Claros, pois trata-se de uma associação privada, pessoa jurídica que possui administração própria (diretoria, corpo contábil e jurídicos próprios), Espera-se que iniciativa como essa encontrem sempre mais o apoio da sociedade montes-clarense, especialmente dos católicos, para que os pobres e os excluídos recebam, com dignidade, os bens que necessitam”.

O advogado Jerson Carneiro afirma que está marcada uma audiência de conciliação para o dia 5 de novembro, na Justiça, quando se buscará um acordo para resolver o impasse. Ele esclarece que a pretensão dos moradores é garantir a área verde e que o trabalho da clinica solidária merece todo apoio e por isso, os moradores se dispõem a ajudar na construção. Na sua concepção, a nota da Arquidiocese confirma que o terreno da área verde foi doada a uma entidade privada.

O procurador geral de Montes Claros, Otávio Batista Rocha Machado esclarece que não existe nenhuma ilegalidade na liberação do terreno para uma associação privada, ainda mais que o seu projeto de atendimento aos carentes é de alta relevância. O procurador informa que a prioridade de doação do terreno é para órgãos públicos, mas isso não impede que seja repassado à instituições privadas, desde que comprovem a relevância dos serviços à sociedade.