Bancada assina documento repudiando corte na Unimontes

A Bancada do Norte na Assembleia Legislativa assinou uma Carta Compromisso em Defesa da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), em mobilização coordenada pela deputada Marilene Leninha de Souza, presidente da Comissão de Direitos Humanos. Na quinta-feira à tarde  entregou à Associação dos Docentes da Unimontes (Adunimontes) o documento assinado por todos os representantes do Norte de Minas, repudiando o corte no orçamento anunciado pelo governador Romeu Zema, por colocar em risco o funcionamento da universidade, com perdas inestimáveis para o ensino, a pesquisa e, sobretudo, para os estudantes.

No documento, a bancada alega que a redução de turmas e o fechamento de cursos já são medidas cogitadas pelos trabalhadores da universidade, o que também irá acarretar o desemprego de servidores. É que o Estado também determinou um corte de 10% no custeio da instituição, o que afetará o atendimento a milhares de pessoas no Hospital Universitário Clemente de Faria, o único 100% SUS.

Marilene Leninha anunciou que também  apresentará uma emenda ao projeto da Reforma Administrativa assegurando a permanência da Unimontes na Subsecretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação. O deputado Carlos Pimenta propôs outra medida: que seja criada a Subsecretaria de Ensino Superior na Secretaria de Educação.

Porém, a situação começa a mudar na Unimontes: a Pró-Reitoria de Planejamento, Gestão e Finanças soltou nota de esclarecimentos onde aponta que “com base em informações oficiais da Superintendência Central de Processamento do Pagamento de Pessoal, da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), haverá uma folha complementar para a regularização do pagamento do auxílio-refeição, no caso dos servidores que não tiveram os valores inseridos no contracheque do mês de março de 2019; a quitação desta folha complementar está prevista para o dia 24 de abril, mesma data do crédito da segunda parcela dos vencimentos do referido mês”. (GA)