Candidatos desconsideram a data de 188 anos de Montes Claros

o Restaurante Popular destruído

Os candidatos a prefeito de Montes Claros desconsideraram, no programa eleitoral obrigatório, os 188 anos de criação do município, que ocorreu ontem e tem sido alvo de muita polêmica. No programa na tarde de ontem (16) os candidatos Emerson Guimarães, do PV e Humberto Souto, do Cidadania, focaram a preservação ambiental. O primeiro anunciou que colocará sistema de captação e armazenamento das águas das chuvas em todos os órgãos públicos municipais e lembrou que nesse momento de pandemia, não se pode desconsiderar a crise econômica. Humberto mostrou os parques municipais e alegou que Montes Claros é a cidade do verde, arte e cultura. No ano de 1983, o então prefeito Luiz Tadeu Leite criou o slogan “Cidade da Arte e Cultura”.

O candidato Ruy Muniz, do PP, direcionou suas críticas ao fechamento do Restaurante Popular, observando que a atual administração não tem compromisso com o povo pobre. A deputada Leninha Souza, candidata a prefeita pelo PT, lamentou que esse Governo se mobilize apenas para os poderosos e lamentou que a grande maioria da população não seja atendida pelas políticas publicas da Prefeitura, pois o povo nunca foi ouvido. O candidato Silvano Tolentino, do Podemos e a candidata Janaele Nery, do Psol, repetiram os seus programas. O primeiro, se apresentando aos eleitores e a segunda, convidando a participar das redes sociais para discutir o programa de Governo.