Copasa deixa de esclarecer sobre racionamento em Moc

A Copasa deixou de comparecer a reunião do Comitê da Bacia Hidrográfica do Pacui, Jequitaí e São Francisco para prestar esclarecimentos sobre o racionamento de água em Montes Claros, que entrou em vigor desde o dia de 17 de novembro. Além de não mandar nenhum representante, a estatal sequer prestou esclarecimentos. O Comitê é responsável pela fiscalização dos rios, na sua jurisdição. Porém, durante a reunião, o ambientalista  Sidney Moreno, presidente do Movimento Ecológico São Francisco de Assis (MESFA),  anunciou a doação de 100 mudas de espécies do Cerrado, para serem plantadas no rio Pacuí e Inhumas. Ele fez a entrega simbólica de uma muda de Buriti, ao prefeito Arismar Araújo Barbosa, de São João do Pacuí, durante a reunião.

O ambientalista contou que assistiu uma entrevista  com um cidadão de São João do Pacuí, num local próximo a captação de água para Montes Claros, lamentando as agruras sentidas pela falta de água e a tristeza pela destruição de nascentes. Sidney disse que este fato o tocou profundamente e, num gesto de sensibilidade e solidariedade, se dispôs a doar essas 100 mudas de espécies do cerrado, para plantio no rio Pacuí e Inhaúmas. O prefeito Arismar Araújo Barbosa, de São João do Pacuí, agradeceu e enalteceu este exemplo de voluntariado pensando na preservação do meio ambiente e na vida do ser humano, afirmando que irá escolher, junto com a população, os locais mais adequados para o plantio, sob orientação técnica.

Na mesma reunião, Sydartha Moreno, membro do Comitê, fez uma explanação sobre as diversas atuações ambientais já realizadas pelo MESFA, que é uma entidade sem fins lucrativos e com sede e viveiro em Pirapora. Os serviços prestados, voluntariamente, desde plantio, palestras e ações ambientais, em diversos lugares, inclusive fora de Minas, já lhes renderam diversas premiações, entre elas a Medalha de Comemoração dos 500 Anos de Descoberta Rio São Francisco, concedida pela Assembleia Legislativa do Estado de Minas, em 2001 e segundo lugar no 1° Prêmio de Boas Práticas do Governo de Minas Gerais, em 2017. (GA)