Crianças apresentam Montes Claros sob seus olhares

A aluna Mariana Carvalho Oliveira, acompanhada pela sua mãe
Kátia Regina Alves Carvalho e pela avó Ana Maria Ribeiro.

O prefeito Humberto Souto recebeu, ontem de manhã, a “Proposta Infantil de Governabilidade”, levantada dentro do “Projeto Minha Cidade, Meu Tesouro”, que tem o ineditismo de ter sido elaborada pelas crianças de um a cinco anos das escolas infantis de Montes Claros, com ajuda de seus pais. São dados de 88 escolas dessa categoria, com o envolvimento de mais de 12 mil alunos. O projeto foi apresentado ontem de manhã no auditório da Câmara Municipal e a coordenadora de Educação Infantil, Jane Aparecida Lopes de Freitas, destaca que foi dada ampla liberdade aos alunos para comentaram o que achavam interessante. Com isso, tem críticas e elogios, mas que permitem a qualquer administrador municipal conhecer as demandas deste segmento.

A coordenadora explica quer a iniciativa buscou desenvolver um “retrato”, sob a lógica infantil, da infraestrutura do Município de Montes Claros, com suas carências e avanços. “Importante considerar que, para a elaboração do presente documento, buscamos preservar o vocabulário e a lógica infantil, uma vez que o mesmo constitui-se em um produto elaborado pelas crianças. Assim, torna-se imprescindível ponderar que as “falas” das crianças estão apresentadas na sua essência e, portanto, apresentam diversas incorreções gramaticais, uma vez que optamos por evidenciar a originalidade do olhar infantil. Neste sentido, gostaríamos de destacar que, após percorrermos as ruas da nossa cidade sob o olhar atento das nossas crianças, tivemos a oportunidade de ouvir as diversas tessituras acerca do trabalho proposto e, mediante criteriosa análise do presente documento podemos garantir que, a partir de agora, temos verdadeiros “fiscais” dos serviços públicos ofertados no Município de Montes Claros”.

A grande queixa apontada no projeto foi da falta de espaço de lazer para as crianças em Montes Claros, pois as ações públicas procuram apenas atender às demandas dos adultos, como a criação das academias de saúde em praças públicas, sem deixar área especifica para as crianças, levadas pelas mães até o local. Os prédios escolares têm poucos brinquedos para atender às crianças; a Praça da Matriz está dominada por mendigos e isso impede ser usada pelas crianças; alguns prédios escolares são castigados com as chuvas, por causa das goteiras; não exista lixeira seletiva em Montes Claros, enquanto existem muitos cães nas ruas da cidade.

A aluna Mariana Carvalho Oliveira, de seis anos, foi uma das selecionadas pelo material produzido e foi ao auditório da Câmara Municipal acompanhada pela sua mãe Kátia Regina Alves Carvalho e pela avó Ana Maria Ribeiro. Ela estuda no CEMEI São Marcos, na Vila Anália. Sua mãe explica que as demandas levantadas foram apontadas depois que a filha chegou com essa tarefa escolar,  onde se pedia como melhorar a cidade. A filha teve sua ajuda nessa tarefa. Isabel Ribeiro Dionísio, de cinco anos, estuda no CEMEI Manoel Caribé Filho e mora em Montes Claros há menos de quatro meses. A sua mãe Janaina dos Santos alega que foram poucas opções levantadas, pois estão conhecendo a cidade.