Economista sugere Moc seguir modelo criado em São Paulo

o professor Sérgio Almeida

O professor Sérgio Almeida, da Universidade de São Paulo, propôs aos professores da Universidade Estadual de Montes Claros implantarem o novo modelo implantado em São Paulo no curso de Economia. Ele participou das discussões, terça-feira a noite da XVI Semana de Economia do Norte de Minas, que essa semana discute o curso, sua matriz curricular e as perspectivas para a profissão do economista. Sérgio Almeida apresentou a proposta e a professora Tânia Cristina, presidente do Conselho de Economia de Minas Gerais discutiu o assunto.

O professor Sérgio Almeida explicou que a implantação na USP se espelhou no que mais avançado existe nas principais universidades do mundo. Além desta diretriz, duas outras norteiam o curso, com forte ênfase nos aspectos instrumentais, de habilitar intervenções concretas e redução das disciplinas obrigatórias, privilegiando as optativas, dando flexibilidade ao currículo e permitindo que os acadêmicos se especializem já na graduação, privilegiando aquelas área onde tenha mais vocação ou expectativas de oportunidades. A monografia também será diversificada, além da opção tradicional, sob a forma de uma base para artigo, abre-se o leque para Ensaios e Resolução de “cases”, aplicado ao setor empresarial ou setor público.

A presidente do Corecon, Tânia Cristina, enfatizou que as constantes mudanças no mercado e a profusão de novos cursos implicam na adaptação do currículo de economia, mas sem engessá-los. O papel do próprio Conselho e do Cofecon têm que ser revistos, pois as diretrizes curriculares também passam por eles. Umas das preocupações é a questão do estágio, outras são a preservação das perspectivas de atuação tanto no setor público, quanto privado, e manutenção da perspectiva social, ai introduzindo alguns conceitos sobre a “Economia de Francisco”. As discussões visam subsidiar a modernização do curso da Unimontes, permitindo uma maior integração com a sociedade e o mercado de trabalho. (GA)