Fake news sobre Bolsa Família agita bastidores político

A contratação de beneficiários do Programa Bolsa Família como “formiguinhas” na campanha eleitoral está gerando polêmica nos bastidores da política de Montes Claros, principalmente entre os candidatos a vereadores. Dois vereadores teriam espalhado que essas pessoas corriam risco de perderem o beneficio, caso assinassem o contrato. Porém o Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais esclareceu que “a legislação eleitoral não estabelece regras para a contratação de pessoas que trabalharão nas campanhas eleitorais. Você deverá verificar junto ao órgão do Governo responsável pelo gerenciamento do Bolsa Família se há alguma regra na concessão do benefício que impede os beneficiários de terem outra fonte de renda”.

Nas eleições desse ano, as “formiguinhas” estão recebendo de R$ 300 a R$ 700 em Montes Claros, para um trabalho de cinco horas por dia. Os valores ampliaram depois de muita procura dos candidatos, que diante da pandemia coronavírus, ficaram sem opção do contato direto com os eleitores e por isso, optaram pela contratação das formiguinhas. Isso inflacionou o preço cobrado por esses profissionais. Um dos vereadores esclareceu que fez uma consulta informal à assessoria técnica legislativa da Câmara Municipal sobre a contratação de pessoas cadastradas no Bolsa Família, quando recebeu orientação para não correr risco. Ele nega que tenha praticado qualquer caso de fake news, pois apenas se precaveu e recusou a contratar essas pessoas.