Igreja Universal elege conselheira mais votada de Moc

A Igreja Universal elegeu a sua obreira Flávia como a mais votada na eleição do Conselho Tutelar de Montes Claros, pois dos 5.660 votos apurados, ela obteve 417, seguido depois por Jonathan, da Corrente do Amor, com 416 votos. A apuração terminou no início da noite de segunda-feira e foi marcada pela polêmica. O resultado será publicado no Diário Oficial do Município, hoje, quando o Conselho Municipal de Direitos das Crianças e Adolescentes abre prazo de dois dias para qualquer impugnação.  O município de Montes Claros tem 226 mil eleitores e os 5.660 que participaram representam apenas 2,5% do eleitorado.

O curioso é que o candidato Thiago Alves de Matos não teve nenhum voto, o que constata que ele mesmo não votou em si. Maria Fernanda Ferreira Silva teve apenas um voto.

Os 15 eleitos teve como campeã Flavia de Derzim com 417 votos; depois Jonatas com 416; Gustavo Mendes com 385 votos; Larissa Chaves com 368 votos; Helen Shalomahia com 322 votos; Gilmar Nicodemos com 258 votos; Leticia Matos com 267 votos; Bia Almeida com 241 votos; Monica Silva com 228 votos; Adelza com 223 votos; Zenaide Alves com 216 votos; Kamila Souto com 207 votos; Cassia Neves com 189 votos; Leonardo Prates com 188 votos e Luciano Santos com 178 votos.

Na manhã de ontem, o vereador Sóter Magno lamentou em seu discurso na Câmara Municipal que a eleição do Conselho Tutelar tenha sido dominada pelos grupos religiosos e políticos. O vereador pastor Elair Pimentel ficou irritado e pediu para acabar com a hipocrisia. A eleição em Montes Claros foi marcada pela polêmica, pois no dia da votação muitos eleitores não puderem exercer a função, pois seu nome não estava na lista da Justiça Eleitoral. Isso levou o Ministério Público a liberar a votação para todos os eleitores com o título e documento com foto. Foram 32 candidatos ao todo. Eles tomarão posse em dezembro desse ano para um mandato de quatro anos.