Montes-clarense cria projeto inédito de trabalho infantil

A montes-clarense Daniela Teixeira Santos

A montes-clarense Daniela Teixeira Santos, consultora do Fundo das Nações Unidas para as Crianças (Unicef), criou o  projeto  “Selo Boas Práticas de Enfrentamento do Trabalho Infantil”, que tem o objetivo de realizar capacitação e acompanhamento dos municípios do Norte de Minas para fortalecimento das políticas públicas de proteção dos direitos da infância e juventude em relação a exploração do trabalho infantil, problema social que dentre vários fatores, é consequência da pobreza e implica várias violações de direitos, entre eles da educação, lazer, saúde, prejudicando, assim, o pleno desenvolvimento das crianças e adolescentes.

Ela salienta que Minas Gerais apresenta grande extensão territorial, sendo que suas mesorregiões têm características diversas umas das outras em relação às diferentes etapas de desenvolvimento socioeconômico como também apresenta diversidade nos aspectos culturais e ambientais. “Neste sentido, o Norte de Minas apresentam grandes desigualdades sociais e alto índice de pobreza, sobretudo em município de pequeno porte, onde a extrema pobreza afeta mais da metade da população. Desse modo, esta situação contribui para o enfraquecimento dos laços familiares, uma vez que a família não consegue exercer sua função protetiva e de satisfação das necessidades básicas”, ressalta Daniela Santos.

A autora do projeto observa que “deste modo, a situação social das crianças são mais agravantes se comparados a situação das demais faixas etárias, devido sua situação peculiar de desenvolvimento, ou seja, a situação de pobreza não afeta apenas o presente, mas afeta também o futuro, num ciclo vicioso de pobreza. Neste sentido, o trabalho infantil é considerado maléfico para a infância pois impede que a criança vivencie esta etapa de forma plena, sendo que o brincar e estudar contribui para o desenvolvimento das potencialidades das crianças, as relações interpessoais, a autoestima, fatores estes primordiais para um futuro adulto produtivo, com acesso a melhores posições no mundo do trabalho”, pondera.

A sua proposta é que “o projeto pretende atuar nos 89 municípios do Norte de Minas, como projeto piloto, no qual poderá ser expandido para outros municípios e regiões do Estado de Minas Gerais ou outras regiões do país. Este acompanhamento será in loco por meio de visitas técnicas, como também capacitações, encontro regional para troca de experiências, bem como orientações via e-mail e por telefone, caso os municípios necessitem. Este projeto terá como parceiro o Ministério Público do Trabalho (MPT) e Fórum Estadual de Erradicação do Trabalho Infantil de Minas”.