Obras de avenida dependem de aditivo de R$310 mil

As obras de duplicação da Avenida Francisco Gaetani, no trecho ao lado do Parque Municipal, estão paralisadas desde novembro do ano passado, pois dependem de um aditivo de R$310 mil para serem retomadas e concluídas. A empresa Feijãozinho desativou o seu canteiro de obras, em razão da demora. A obra, orçada em R$1,8 milhão, com esse aditivo, passará para R$2,1 milhões. Os recursos são R$1,5 milhão do Estado, viabilizados em emendas do deputado Arlen Santiago e mais a contrapartida da Prefeitura. Além disso, o supermercado Mart Minas está liberando R$150 mil para a rotatória e a Smarthouse mais R$80 mil como compensação urbana.

O secretário municipal de Infraestrutura, Guilherme Oliveira, acredita que no máximo na próxima semana as obras deverão ser retomadas, pois o prefeito Humberto Souto autorizou o aditivo. Ele lembra que existem alguns serviços a serem concluídos, como a rotatória, uma parte da calçada e pequenos detalhes. Como essa semana a Prefeitura assinou o contrato com a empresa vencedora da licitação para fiscalizar as obras, a duplicação da Avenida Francisco Gaetani será atendida com a iniciativa.

Os vereadores de Montes Claros pediram a continuação das obras da Avenida Francisco Gaetani, paralisadas desde outubro do ano passado. Os parlamentares estão preocupados com a segurança dos moradores que vivem próximo ao trecho e dos motoristas que passam pelo local. A via é a principal ligação do município a BR-365. Em junho de 2018, a Prefeitura de Montes Claros reiniciou as obras da duplicação do trecho da Avenida Francisco Gaetani, na região do bairro Morada do Parque. O custo total das obras gira em torno de R$2 milhões. A duplicação está pronta, mas ainda falta concluir o trevo. No local existe um trevo improvisado para melhorar o trânsito.
Segundo a vereadora Maria Helena (PPL), a justificativa da paralisação era por causa de um poste de energia elétrica que atrapalhava os trabalhos - o objeto já foi retirado. O vereador Soter Magno (PP) destacou os perigos e transtornos da paralisação das obras. Valcir da Ademoc (PTB) informou que vários requerimento foram enviados ao Executivo solicitando a conclusão do trevo, mas que não obteve resposta. (GA)