Promotora interfere para garantir o transporte escolar em Montes Claros

A promotora Valmira Maia, da Curadoria da Infância e Juventude do Ministério Público em Montes Claros, anunciou que tomará providências para assegurar o transporte escolar dos mais de 700 alunos da rede estadual que residem nos conjuntos habitacionais Minas Gerais, Monte Sião I, II, IV e Recanto das Aguas, que desde fevereiro deste ano estão sem o serviço. Ela recebeu uma comitiva de moradores, liderada pela presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, deputada Marilene Leninha, e explicou que convocará a Superintendência Regional de Ensino e a Secretaria Municipal de Educação para buscar uma solução.

De imediato, a promotora Valmira Maia explicou que o transporte dos alunos da rede estadual deve ser assegurado por uma das partes, enquanto se discute o assunto, sob risco de providências contra os responsáveis. A promotora lembrou que o direito ao transporte escolar tem de ser assegurado, nem que depois defina quem pagará essa despesa. Muitos alunos estão sendo obrigados a percorrer quilômetros a pé todos os dias para chegarem às escolas Américo Martins, Professora Dilma Quadros e Helena Prates. O que mais causa indignação é o fato dos ônibus escolares levarem os alunos da rede municipal, mas como Montes Claros suspendeu o convênio com o Estado em 2014, ficam sem poder atender aos alunos da rede estadual.

O problema teve início em 2016, quando várias famílias foram assentadas nos conjuntos habitacionais e muitas saíram da zona Sul para residirem na zona Norte da cidade e descobriram que não havia local para os filhos estudarem. O líder dos moradores do Recanto das Águas, Daniel Rocha Batista, participou da reunião com a promotora Valmira Maia e acredita que, enfim, surge a esperança de resolver o impasse. No dia 18 será feito protesto na cidade e no dia 26 haverá uma audiência da Assembleia Legislativa.