Samu leva treinamento para escolas de Moc

Objetivo é visitar várias escolas da rede pública e particular da cidade

Com o objetivo de ensinar a crianças e adolescentes sobre noções de primeiros socorros e conscientizar os estudantes sobre o uso adequado do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), o Consórcio Intermunicipal de Saúde da Rede de Urgência do Norte de Minas (Cisrun/SAMU Macro Norte) deu início, em Montes Claros, ao projeto Samu na Escola.

A ação desenvolvida pelos profissionais do Núcleo de Educação Permanente (NEP) busca a redução de trotes, uma vez que mostra o quanto essa ‘brincadeira’ de mau gosto pode prejudicar um salvamento real.

No fim da última semana, o projeto visitou a primeira escola, um colégio particular no Centro da cidade. Durante a palestra, os alunos foram orientados a repassar aos pais sobre o posicionamento adequado das panelas no fogão, atenção com crianças ao manusear objetos pequenos como peças de brinquedo, cuidados ao soltar pipa, além da importância do cinto de segurança ao transitar em um veículo. Os procedimentos corretos para socorrer vítimas desmaiadas, com convulsões e até mesmo em parada cardiorrespiratória também foram temas abordados no primeiro encontro do Samu na Escola.

O coordenador do NEP, Ubiratam Lopes, destaca que “os alunos ainda puderam tirar dúvidas e praticar as manobras de reanimação cardiopulmonar em um boneco realístico, que é usado pelo Samu nos treinamentos periódicos dos profissionais”. Ele ressalta sobre a importância das compressões serem iniciadas antes do socorro chegar e executadas da forma correta. “A cada um minuto que se passa, uma pessoa perde 10% de chance de sobreviver durante uma parada cardiorrespiratória”, disse.

A professora do colégio, Amanda Revert, agradeceu a presença dos instrutores e destacou que “o objetivo agora é desenvolver nas salas de aulas a multiplicação do conhecimento com a equipe do Samu”. O estudante Daniel, de 13 anos, avaliou a iniciativa como positiva, pois acredita que as orientações recebidas podem fazer a diferença para salvar uma vida.

TROTES | O coordenador do NEP ainda disse aos estudantes que o trabalho dos profissionais do Samu tem uma repercussão muito grande na vida das pessoas, mas que os trotes tiram a oportunidade dos profissionais de salvar vidas.

“As nossas equipes são treinadas para saber se a ligação é um trote ou não, mas as linhas podem ficar congestionadas e alguém que realmente esteja precisando do atendimento pode ficar prejudicada”, explica Lopes, sobre as consequências da prática irresponsável.

A diretora executiva do Cisrun, Kely Cristina de Moura, lembrou que a instituição também tem como missão trabalhar junto à comunidade. "Dentro do Projeto AVC, no ano passado, capacitamos mais de cinco mil pessoas entre profissionais da saúde e estudantes sobre os procedimentos ideais a serem tomados no caso de um acidente vascular cerebral", lembra.

INSCRIÇÕES | As escolas interessadas em participar do projeto precisam realizar a inscrição por meio do telefone (38) 2211-0008, solicitando a palestra para os alunos.

Crianças aprenderam de forma prática sobre primeiros socorros