Na abertura do Festival de Inverno, Unimontes destaca o resgate das raízes históricas e culturais

Festival está na quarta edição e foi aberto pela primeira vez
no interior da Igreja Matriz de Santo Antônio

Foto: Andrey Librelon

Ao som da Camerata de Violões da Unimontes e da Seresta Luar do Sertão, foi aberto oficialmente, na noite dessa quinta-feira (18/7), na Igreja Matriz de Santo Antônio, o Festival de Inverno de Grão Mogol – Circuito Lago do Irapé/2019 –, evento que tem a Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) e Prefeitura de Grão Mogol como idealizadoras.

Depois de dois anos sem atividades, o Festival de Inverno volta com força e, nesta perspectiva, o reitor da Unimontes, professor Antonio Alvimar Souza, destacou o papel crucial que o evento desenvolve na vida e na cultura das pessoas.

“Não podemos deixar de promover um evento tão importante para a cultura regional, que tem papel importante na vida social das pessoas e que valoriza o resgate da nossa história e das nossas raízes que foram construídas com esforço e cuidado. Investir na cultura, é investir nas raízes profundas de um povo”, convidou o reitor.

O prefeito de Grão Mogol, Hamilton Gonçalves, destacou a importância do resgate do Festival, “que celebra, justamente, a cultura popular e valoriza nosso povo, nossa gente, nossa história”. A última edição foi realizada em 2016.

Pró-reitor de Extensão, o professor Paulo Eduardo Gomes de Barros também chamou a atenção para a atuação da Universidade em iniciativas que elevam a cultura do povo norte-mineiro. A solenidade de abertura foi encerrada com a Camerata de Violões da Universidade que executou várias canções clássicas da Música Popular Brasileira, com a participação dos professores Cristiane Franco e do professor e coordenador do Festival, Igor Coimbra. A Seresta Luar do Sertão encantou o público, que seguiu em caminhada pelo centro histórico de Grão Mogol.

Também participaram da solenidade o secretário de Cultura, Guilherme Meira, o vice-presidente da Câmara de Grão Mogol, Vinício Rodrigues, os vereadores Valdeir Nunes da Silva (Grão Mogol) e Soter Magno (Montes Claros) e a escritora Amelina Chaves, representando a Academia Montesclarense de Letras e que recentemente teve aprovada a concessão do título Doutor Honoris Causa, da Unimontes.

O músico Bob Silva encerrou a programação do primeiro dia, que foi aberta ainda pela manhã, com oficinas para alunos da Escola Oswaldo Simões e para a população em geral, além do Expresso 21, que ensina de forma didática tudo sobre a Doença de Chagas. (Ascom)