PhD em Pilantropia Cultural expõe poemas no Painel Permanente

Está aberta ao público a primeira exposição de 2018 do Painel Permanente de Poesia Juca Silva Neto, que traz os trabalhos do poeta Pedro Tostes, que se descreve como um poeta “reincidente e insistente”, graduado nos ‘rolês’ com PhD em Pilantropia Cultural. Escreveu os livros “o mínimo" (2003), "Descaminhar" (2008), "Jardim Minado" (2014) e “Na Casamata de Si” (2018). Editou a revista "Não Funciona" no início dos anos 2000.

“Me declaro deformado em poesia com PhD em Pilantropia Cultural. Não concluí o nível superior, embora tenha ingressado em instituições respeitáveis. A vida me exigiu em certos momentos uma dedicação acima da média para sobreviver e fazer arte no Brasil”, afirmou à Gazeta.

O autor se disse honrado em ter sido escolhido para 2019 com a exposição. “É muito gratificante saber que meu trabalho é lido e circula em uma cidade tão acolhedora como Montes Claros, onde estive em 2018 participando do Psiu Poético e gostei muito de conhecer a cidade, seus habitantes e guerreiros da literatura como Aroldo Pereira”, afirmou.

Estudioso e ávido leitor, Pedro dedicou mais de 20 anos a militância poética, aos estudos literários e a poesia. “Leio e estudo muito o tema da poesia, de forma que me declaro deformado em poesia. O PhD em Pilantropia Cultural foi fruto da vivência como poeta de rua, nos últimos 15 anos. É uma especialização, depois do mestrado em sobrevivência na selva e o doutorado em pagar boletos”.