Psiu Poético vai homenagear o montes-clarense Paulo Henrique Souto

A 33ª edição do Festival de Arte Contemporânea Psiu Poético, que será realizada entre os dias 4 e 12 de outubro, vai dar um amplo destaque para as produções audiovisuais. O festival deste ano terá como tema “Psiu Cinema” e homenageará um dos maiores expoentes da sétima arte nacional, o montes-clarense Paulo Henrique Veloso Souto. Paulo Henrique, que voltou a residir na cidade há alguns anos, deu uma importante contribuição para o cinema brasileiro a partir da década de 1970. Consta de seu currículo a participação em mais de 200 produções, tendo atuado como ator, diretor, assistente de direção, assistente de produção, produtor, além de divulgador, agitador e assessor de comunicação em diversas produções nacionais.

Filho de João Souto e dona Nininha, Paulo nasceu em Montes Claros no ano de 1947. Ainda era jovem quando teve uma participação no filme Os Marginais, de 1968, do também montes-clarense Carlos Alberto Prates Correia. Depois de cursar Relações Públicas em Belo Horizonte, Souto mudou-se para o Rio de Janeiro em 1977, onde iniciaria uma trajetória de importante contribuição para o cinema brasileiro. Sempre encantado com o ambiente de produção cinematográfica, Paulo Henrique atuou no departamento de publicidade e propaganda da Embrafilme e da Gaumont do Brasil. Sagrou-se neste período como um dos maiores divulgadores das produções nacionais país afora.

Atuando conjuntamente como produtor de set em diversas obras, o cineasta montes-clarense desenvolveu uma grande capacidade de criação cinematográfica. Em 1981 lançou o curta Aníbal, um Carroceiro e seus Marujos, que teve grande importância na valorização e resgate das Festas de Agosto de Montes Claros. Esta produção levou a mais expressiva manifestação cultural e religiosa da cidade à festivais em diversas partes do mundo. Na frente das câmeras, o norte-mineiro também se destacou. Conhecido como o “rei das pontas”, foi o ator que mais fez participações especiais no cinema brasileiro entre os anos de 1970 e 2000. Além da atuação nas telonas, também participou de telenovelas e peças teatrais.

No ano de 1979 foi produtor executivo no clássico filme Cabaret Mineiro, também de Carlos Alberto Prates Correia. Neste longa, rodado parte em Montes Claros, além de trabalhar na produção, Paulo Henrique novamente fez uma pequena aparição. Após construir uma sólida carreira no audiovisual brasileiro, Paulo Henrique Souto voltou para sua cidade natal, onde continua contribuindo para diversas produções. Em 2012, participou ativamente da organização da 1ª Mostra de Cinema de Montes Claros.

Agora, aos 72 anos, será homenageado pelo maior salão de poesia do país, reconhecimento que recebe com muita satisfação. “Estou honrado por essa deferência para comigo em torno do meu trabalho no cinema brasileiro. Reconhecimento em vida é muito bom, principalmente na minha amada Montes Claros. Foi aqui que dirigi Aníbal, um Carroceiro e seus Marujos, em 1981, obra pela preservação das Festas de Agosto, então totalmente esquecidas. O filme foi exibido nos festivais de Bilbao (Espanha), na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, no Festival de Penedo, entre outros. Hoje continuo por diletantismo divulgando o cinema brasileiro nas redes sociais e colaborando com eventos da área na minha terra”, explica Paulo Henrique. (Bruno Albernaz)