Ex-ministro aponta recuperação da economia

Luiz Carlos Mendonça de Barros participou de Norte Day
Business em Montes Claros

Foto: ARQUIVO

Empresários puderam respirar aliviados com as projeções do ex-presidente do BNDES e ex-Ministro das Comunicações, colunista do Jornal Valor Econômico e Rádio BandNews FM, Luiz Carlos Mendonça de Barros. O panorama econômico e político do Brasil foi apresentado durante palestra do evento Norte Day Business. O encontro com a classe produtiva regional foi promovido pela AMI Gestão e Educação Empresarial, associada da Fundação Dom Cabral no Norte de Minas.

A abertura teve a participação de Dr. Newton Figueiredo, presidente da Associação Comercial Industrial e de Serviços de Montes Claros. “Acompanhamos o trabalho da AMI e da FDC, cujo propósito é trazer ferramentas que fomentem o desenvolvimento socioeconômico da região. Estamos num momento delicado e o empresário deve buscar boas experiências para garantir um país justo para todos”.

Para Antônio Reis, idealizador do Norte Day Business, “este encontro é um marco importante no Norte de Minas. A FDC tem por natureza trazer à tona temas que estimulem o empresário a ter insights no seu empreendimento”. Há três anos atuando nesta região, a AMI reuniu clientes que já vivenciaram os cursos da FDC, com programas abertos de curta duração na região. “Acreditamos que podemos contribuir uma melhor gestão e crescimento sustentável através da qualificação de pessoas e das organizações”.

Inovar e transformar: Tendências de mercado, desenvolvimento de gestão e panorama econômico foram os temas principais da tarde de trabalho. O especialista em comportamento organizacional, Paulo Almeida, debateu sobre a liderança e como a pessoa gerencia ativamente o desenvolvimento da carreira de acordo com os valores pessoais. “O profissional moderno deseja estar em bons projetos, com alta performance e não necessariamente sempre na mesma organização. Enquanto isso, as empresas devem se tornar mais responsivas e adaptáveis”.

Almeida destacou que a liderança positiva é aquela que garante uma segurança psicológica para liderar e para partilhar ideias com sua equipe. “É preciso se sentir empoderado para tomar decisões melhores para a empresa e não necessariamente para o processo. Por outro lado, a organização tende a ser mais humana, com cultura de alegria, que compreenda que o mundo caminha para ser sustentável, encoraja seus colaboradores a serem saudáveis, olham para além do lucro, encorajam o desenvolvimento pessoal e promovem a diversidade”.

Proatividade em um mundo 4.0: Leonardo Araújo ministrou a palestra Empresas proativas 4.0: estratégias para vencer na era digital. “Em tempos de tecnologia digital e móvel, hiperconectividade, internet das coisas, sistemas cyber-físicos e senso de urgência, as empresas acabam se dividindo em reativa e proativa. A diferença é o modo de encarar estas mudanças, enquanto uma acredita que o futuro é amanhã, a outra faz seu futuro hoje. A mudança de mercado funciona deste modo, ou sua equipe reage a alguma tendência ou ela cria a tendência”. Leonardo Araújo é categórico ao afirmar que seja reativa ou progressiva, mas jamais a empresa deve ficar estática”. 

Momento de investir: Para fechar o encontro de empresários com a equipe Dom Cabral, Luís Carlos Mendonça de Barros levou gráficos e estatísticas sobre o panorama econômico dos últimos anos. “Temos uma economia pronta pra crescer, mas os empresários estão com medo por causa da recessão recente. O Brasil vive um ciclo novo, espero que o governo mantenha a “cabeça no lugar”, pontuou.

Mas nem tudo é boa notícia. O país está gerando atualmente a 1 milhão de empregos formais, a curva está ascendente. São 95 milhões de pessoas empregadas e 12 milhões sem postos de trabalho. A desigualdade social, por sua vez, está maior que há alguns anos.  “Outro ponto é a carga tributária exorbitante no país, igual ao de países desenvolvidos, maior que EUA, Coreia, que limita o crescimento, pois um pedaço da renda é jogada no caixa do Governo. Devemos nos mobilizar para reduzir a taxa tributária de média de 33% do PIB para cerca de 27%, pelo menos”.

Neste contexto, a economia está em franca recuperação. “O Governo está numa linha política de direita, significa dizer que teremos uma série de reformas que vão melhorar os negócios. Sua gestão econômica responsável mantendo a taxa selic em 5% melhora o ambiente empresarial. A questão política é importante para a classe empresarial ganhar confiança neste cenário de juros baixos. Se ele pegar o lucro e multiplicar pelos juros, vai perceber que houve valorização de seu negócio. Entretanto, a realidade do Brasil mostra 65% da população carente, para manter a sustentabilidade socioeconômica é preciso haver responsabilidade social para equilibrar a sociedade”. 

O evento contou com a presença da mais de 200 participantes e já estão previstos para 2020 o Norte Day Bussiness Agro, voltado para o segmento de Agronegócios e o de Norte Day Business Saúde, ambos a serem realizados pela AMI em parceria com instituições e empresas locais.