Inflação fechou fevereiro em 0,65%

O Departamento de Economia da Universidade Estadual de Montes Claros divulgou, no último dia 1º, o Índice de Preço ao Consumidor (IPC) de Montes Claros. Dos chamados itens básicos na mesa da população, o feijão e a batata aparecem com alguns dos principais vilões da inflação em Montes Claros registrada em fevereiro. O percentual no segundo mês do ano foi de 0,65% e, no ano, acumulado chega a 1,29%.

Embora seja apenas 0,01% a mais em relação a janeiro/2019, se comparado ao mesmo período do ano passado, o índice merece destaque. Em fevereiro de 2018, a inflação montes-clarense conforme o IPC/Unimontes foi de apenas 0,15%.

De acordo com o relatório de fevereiro, o grupo alimentação segue como o de maior peso no orçamento da família. Chuchu (87,8%), Batata (54,8% e Tangerina (36,7%) foram os produtos naturais com maior variação positiva de um mês para o outro. Já o tomate apresentou queda de 7% no preço do quilo.

Na chamada elaboração primária, aparecem o feijão, com 39,26% de aumento, ovos (7,51%) e leite pasteurizado (3,75%). A cesta básica em Montes Claros consumiu, em fevereiro, 32,64% do salário-mínimo.

Segundo a Unimontes, o IPC de Montes Claros é feito com base na pesquisa de preços de produtos, bens e serviços em 400 estabelecimentos comerciais da cidade, com coleta de dados sempre no primeiro dia de cada mês. A equipe é formada por oito pesquisadores coordenados pela professora Vânia Silva Vilas Bôas Lopes. O cálculo é feito com base no rendimento de famílias entre 1 e 6 salários mínimos.