IPC UNIMONTES | Janeiro apresenta inflação superior a dezembro de 2018

No Grupo Alimentação In natura, a variação positiva foi puxada pelo
preço da cenoura, com aumento de 35,09%; seguida por abacate (32,81%),
abacaxi (30,46%), chuchu (29,04%) e banana prata (27,61%)

O Departamento de Economia da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) divulgou, nessa sexta-feira (1º), o Índice de Preços ao Consumidor do primeiro mês de 2019, que teve uma inflação de 0,64% em Montes Claros. Em comparação com o mesmo período do ano passado, houve queda no percentual. Em janeiro/2018, a inflação na cidade foi de 0,79%. Já na comparação com dezembro de 2018 houve acréscimo na inflação de 0,07%, de 0,57 para os atuais 0,64.

Segundo o departamento, para avaliar o custo de vida em Montes Claros, o índice considera os grupos Alimentação, Vestuário, Habitação, Artigos de Residência, Transporte e Comunicação, Saúde e Cuidados Pessoais e Educação e Despesas Pessoais. Em janeiro, o grupo Alimentação aparece como o de maior peso para a inflação de 0,64%, contribuindo com cerca de 65% para o índice registrado.

No subgrupo de alimentos in natura, os preços da cenoura (35,9%), andu (33,33%), abacate (32,81%) e abacaxi (30,46%) foram os de maiores variações nos últimos trinta dias. Entre os industrializados, o peso maior foi do leite longa vida, com variação positiva de 3,29%. “Numa análise específica sobre a cesta básica, que é composta pelos 13 itens considerados essenciais para a alimentação, o gasto para adquiri-la em Montes Claros representa, atualmente, 31,32% do atual salário mínimo”.

O levantamento revelou ainda que há outras variações consideráveis em janeiro passado. Entre elas estão valor de escrituras (9,65%), assistência odontológica (15%), medicamentos antidepressivos (5,13%), serviço de moto táxi (20%) e taça de licenciamento (9,41%) e seguro DPVAT (63%).

“O IPC/Unimontes é feito com base na pesquisa de preços de produtos, bens e serviços em 400 estabelecimentos comerciais da cidade, com coleta de dados sempre no primeiro dia de cada mês. A equipe é formada por oito pesquisadores coordenados pela professora Vânia Silva Vilas Bôas Lopes. O cálculo é feito com base no rendimento de famílias entre 1 e 6 salários mínimos”, explicou o Departamento de Economia da Unimontes.

SEMANAL | Já o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), divulgado pela Fundação Getúlio Vargas, também nessa sexta-feira (1º), subiu 0,57%, 0,01 ponto percentual abaixo da taxa registrada na última divulgação. Com este resultado, o indicador acumula alta de 4,19% nos últimos 12 meses.

No caso do IPC-S três das oito classes de despesa componentes do índice registraram decréscimo em suas taxas de variação. A maior contribuição partiu do grupo Alimentação (0,94% para 0,73%). Nesta classe de despesa, cabe mencionar o comportamento do item hortaliças e legumes, cuja taxa passou de 4,51% para -0,17%. (JM)