Montes Claros registra segunda queda no preço da gasolina na semana

O preço da gasolina voltou a registrar mais uma queda no preço nesta semana em Montes Claros. O combustível pode ser encontrado na cidade ao preço de R$ 3,757, na guerra de preço que vem ocorrendo desde março, por causa da pandemia coronavírus. Segundo especialistas, esta deve ser a última retração no preço da gasolina, isso porque a Petrobras elevou em 12% o preço médio nas refinarias e isso será repassado aos consumidores. A previsão é que o litro do combustível passará para R$ 4,25 a partir de sábado em Montes Claros, quebrando a maior trajetória de queda do produto. Antes da pandemia, a gasolina era comercializada na cidade ao preço de R$4,78 e esse valor chegou a cair R$ 1,03 por causa da guerra de preços.

Na segunda-feira, o GAZETA mostrou que o preço da gasolina tinha ficado em R$ 3,778 no menor preço da cidade. Dois dias depois esse valor caiu R$ 0,02 no litro, ficando em R$ 3,757. O presidente do Sindicato dos Postos de Combustíveis do Norte de Minas, Gideon Durães explica que os empresários do setor não aguentarão bancar esse aumento, tendo que repassar aos consumidores.  Ele explica que os 12% é um aumento provocado pela variação do cambio e ainda pela recuperação do barril de petróleo no mercado internacional.

A Petrobras elevou o preço médio da gasolina nas refinarias em 12%, desde ontem, mas manteve o valor do diesel. O avanço ocorre após uma recuperação recente dos preços do barril do petróleo no mercado internacional, à medida que alguns países da Europa e da Ásia, assim como diversos Estados norte-americanos, começaram a flexibilizar medidas de isolamento tomadas em função da pandemia de coronavírus. O repasse de ajustes em valores da gasolina cobrados nas refinarias aos consumidores finais, nos postos, não é imediato e depende de uma série de questões, como margem da distribuição e revenda, impostos e adição obrigatória de etanol anidro.      

O barril de petróleo Brent -- referência internacional -- fechou na véspera com alta de 13,9%, acumulando ganhos pelo sexto dia consecutivo, enquanto o petróleo nos EUA (WTI) subiu 20,5% na terça-feira (5), tendo também cinco dias seguidos de alta. A alta de 12% da gasolina nas refinarias foi o primeiro avanço desde 20 de fevereiro, reduzindo uma defasagem na comparação com o produto importado após ganhos no mercado de petróleo.

Ainda assim, a gasolina da petroleira estatal -- responsável por quase 100% da capacidade de refino do país -- acumula queda de 46,5% neste ano, impactada por uma diminuição dos preços do petróleo e de seus derivados diante da propagação do novo coronavírus, que reduziu a demanda global. No caso do diesel, a queda acumulada nas refinarias no ano é de 44%. O avanço do preço da gasolina ocorre após o setor sucroenergético ter pedido ao governo federal um aumento da Cide no combustível fóssil, como forma de ajuda ao segmento em meio aos impactos do coronavírus na economia do país e no preço do combustível. (GA)