Receita Federal começa a pagar hoje o 3º lote do Imposto de Renda

Dois milhões de contribuintes receberão a restituição do Imposto

 

Esse lote também inclui restituições de 2008 a 2016

A Receita Federal começa a pagar, a partir de hoje (15), o terceiro lote de restituição do Imposto de Renda Pessoa Física 2017. Serão mais de dois milhões de contribuintes vão receber esses valores, totalizando cerca de R$ 2,8 bilhões em restituição.

Os valores ficam disponíveis no banco em um prazo de um ano. Caso não seja feito o saque do valor no período, é necessário ser feito um requerimento pela internet pelo Formulário Eletrônico no site (http://idg.receita.fazenda.gov.br).

Caso o valor não seja creditado, basta procurar pessoalmente qualquer agência do Banco do Brasil, ou ligar para a Central de Atendimento no telefone 0800-729-0001 para realizar o agendamento do crédito em conta corrente ou poupança em nome do contribuinte em qualquer banco.

Esse lote também inclui restituições de 2008 a 2016. No lote, R$ 210,5 milhões serão para pessoas com preferência para receber a restituição. São 45.576 idosos e outras 6.555 pessoas com alguma deficiência física ou mental ou moléstia grave. É possível obter a informação pelo telefone 146 ou pela internet no site da Receita. Os valores de restituição para cada exercício são corrigidos pela Selic, a taxa básica de juros.

 

O que fazer com esse valor?

Por ser um ganho extra, é comum que as pessoas utilizem sem planejamento, muitas vezes focando no consumo. Contudo, para Reinaldo Domingos, doutor em educação financeira, é importante não desperdiçar essa chance de ajustar a vida financeira.

“A primeira preocupação das pessoas deve ser com as dívidas em atraso, especialmente no cheque especial e cartão de crédito: estabeleça estratégia para eliminar o problema. Essas devem ser as primeiras dívidas eliminadas, já que as taxas de juros são muito altas”, orienta.

Entretanto, Domingos alerta que é fundamental negociar essas contas antes de pagar, reduzindo ao máximo os juros e as multas. “O contribuinte também deve ter em mente que é hora de combater as causas do endividamento e não o efeito, e isso só se faz com educação financeira”, destaca.

Já para os contribuintes que não têm dívidas, segundo Domingos, o ideal é investir o dinheiro, mas é importante que o investimento esteja atrelado aos objetivos das famílias, caso contrário, o retorno poderá não ser tão interessante, causando até prejuízos.

“Para sonhos de curto prazo, a serem realizados em até um ano, é interessante aplicar em caderneta de poupança. Para os sonhos de médio prazo, entre um e dez anos, Tesouro Direto, CDB, Fundo de Investimentos e Títulos do Tesouro. Já para sonhos de longo prazo, a partir de 10 anos, Previdência Privada, LCI, LCA e Títulos do Tesouro são bastante indicados”, orienta Domingos.