SINDUTE procura maior adesão a greve no Norte de Minas

O Sindicato dos Trabalhadores na Educação de Minas Gerais (SinUte) está ampliando hoje a campanha para maior adesão dos professores na greve geral deflagrada desde o dia 11 e por isso, várias equipes percorrerão as escolas estaduais pedindo a participação dos professores. Hoje será realizada na escola Professor Plinio Ribeiro, mais conhecida como Escola Normal. Os dirigentes do SindUte afirmam que a adesão tem aumentado ainda mais e que a expectativa é alcance 100%; Um dos problemas que os grevistas tem enfrentado são os fake news, com noticias falsas sobre o movimento. Por isso, tudo está centralizado no site da entidade.

Os líderes afirmam que “a deflagração da greve por tempo indeterminado, a partir do dia 11, tem como seu principal responsável o governo Zema. A incompetência na gestão do sistema, o desrespeito  ao direito à educação pública, Zema se mostrou um inimigo para a educação mineira, não pagando os reajustes do Piso Salarial Profissional Nacional de 2019 e 2020. Agora, Zema inicia 2020 querendo impor sua agenda de privatização e destruição total dos direitos dos trabalhadores. Anunciou que enviará à ALMG, ainda no primeiro semestre, os Projetos da Reforma da Previdência e do RRF (Regime de  Recuperação Fiscal)”.

Alegam ainda que “seu projeto de Reforma da Previdência defende publicamente o aumento da alíquota previdenciária de 11%, podendo chegar a 22%. O RRF, por sua vez, significa o congelamento de salários e carreiras, a privatização total de estatais e serviços, inclusive, saúde e educação, e a*não realização de concursos, tudo isso, por seis anos. Então, depende única e exclusivamente do governo, cumprir o que é de direito para a Educação. Se a greve demorar, a culpa é do governo, que não valoriza os Trabalhadores em Educação”. – concluiu.