Vendas de Natal têm melhor resultado dos últimos oito anos

Acompanhando a tendência, vendas em shoppings também tiveram resultado positivo

 

De acordo com Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), os brasileiros presentearam mais no Natal 2018. Segundo dados divulgados nessa quarta-feira (26), o crescimento de 2,66%, na comparação com o ano anterior, é o melhor desempenho desde 2014.

A pesquisa levou em consideração as consultas para vendas a prazo entre os dias 4 e 24 de dezembro deste ano, período mais lucrativo do ano para o varejo. No ano passado, foi registrada alta de 2,13%. Nos anos anteriores, houve uma sequência de quedas: -2,29% (2016), -4,16% (2015) e -8,3% (2014).

O gasto médio do brasileiro com os presentes de Natal foi estimado em R$ 115,9. A previsão é de que a data tenha movimentado R$ 53,5 bilhões na economia. Para a economista Marcela Kawauti, os números refletem o clima de otimismo quanto aos rumos do país, somado à retomada da confiança do consumidor e à expectativa de melhora da economia.

SHIPPINGS | Já segundo a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop), as vendas de Natal neste ano cresceram 5,5% em relação a 2017. Entre os presentes mais procurados por segmento estão moda masculina e feminina (55%), calçados (32%), perfumes e cosméticos (31%), brinquedos (30%), acessórios de moda (19%), livros (14%), celular e smartphone (12%), joias e bijuterias (9%) e eletrônicos e eletrodomésticos (6%).

De acordo com a associação, em todo o ano o varejo de shopping cresceu 6,0%, com um faturamento de R$ 156,3 bilhões. Os segmentos que mais cresceram foram perfumaria e cosméticos (8,0%), óculos, bijuterias e assessórios (8,0%), brinquedos (8,0%), petz (7,5%) eletrodomésticos (6,0%) e celulares e smartphones (6,0%) vestuário masculino e feminino (1,6%), eletroeletrônicos (5,0%). Já o setor de calçados caiu 5,0%.

Na mesma pesquisa, a associação avaliou o comércio eletrônico e encontrou um crescimento de 12%, mostrando ainda que o movimento das compras para o canal digital deve continuar. Segundo o levantamento, todos os anos, entre as categorias mais vendidas em volume de pedidos, lideram assessórios, com 14,2%; e cosméticos e perfumaria, com 12,0%.

Neste final de ano, segundo a Alshop, o faturamento das compras pela internet deve ser de R$9,9 bilhões, 13,5% a mais do que no mesmo período de 2017. O tíquete médio deve ser 7% mais alto, totalizando R$490. (JM)