Atlético vence Grêmio e amplia vantagem na liderança do Brasileiro

Legenda

Quando chegou à Cidade do Galo em junho, Keno foi recebido com o status de principal jogador ofensivo do Atlético. Depois de um início titubeante, o atacante, enfim, consegue cumprir as expectativas. No último fim de semana, marcou três gols na vitória por 4 a 3 sobre o Atlético-GO. Na noite de sábado (26), repetiu o feito: mais um hat-trick, desta vez para garantir o triunfo alvinegro por 3 a 1 sobre o Grêmio, no Mineirão, pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro. Isaque descontou para os visitantes.

Com a vitória, o líder Atlético chegou aos 24 pontos - três à frente do segundo colocado Internacional, que tem um jogo a mais e, também no sábado, empatou por 1 a 1 com o São Paulo no Beira-Rio. Já o Grêmio se mantém com 13 pontos, na 13ª posição.

No próximo fim de semana, as equipes voltam a campo pela 13ª rodada da Série A. Às 20h30 de domingo, a bola rola no Mineirão para o confronto entre Atlético e Vasco. No dia anterior, tem Gre-Nal na Arena, a partir das 17h.

Antes do clássico, os comandados do técnico Renato Gaúcho jogam pela quinta rodada do Grupo E da Copa Libertadores. Na terça-feira, às 19h15, o time tricolor recebe a Universidad Católica, do Chile.

Todos os prognósticos mais óbvios feitos para a partida de sábado se concretizaram quando a bola rolou no Mineirão. Descansado e com foco único na Série A, o Atlético cumpriu à risca as ordens do técnico Jorge Sampaoli e teve o domínio quase absoluto das ações ofensivas contra um modificado Grêmio, que prioriza a Libertadores.

Ao longo do primeiro tempo, não era raro ver os homens mais recuados da equipe da casa estarem à frente da linha central. A postura agressiva se fez refletir nos números: o Atlético teve 58% da posse e finalizou quase o triplo de vezes (13 a cinco) que o adversário. Mais importante que isso, o domínio teve reflexos também no placar.

Logo aos 10 minutos, o iluminado Keno fez jogada individual pelo lado esquerdo da área, puxou para o meio e bateu, rasteiro, de perna direita, para abrir o placar. O goleiro Paulo Victor fez a defesa no cantinho, mas a arbitragem, com auxílio do VAR, identificou que a bola havia cruzado a linha derradeira: 1 a 0. Foi o gol de número 2 mil do Atlético na ‘era Brasileirão’, iniciada em 1971.

Daí em diante, pouco mudou no cenário da partida. Mesmo em vantagem, o Atlético se manteve no campo ofensivo. Faltaram, no entanto, oportunidades claras para ampliar o marcador. Nas raras vezes em que levou perigo - sempre em lances originados em bola parada -, o Grêmio parou em defesas seguras do goleiro Everson.

No início do segundo tempo, a mesma história: Atlético com a bola, sempre em busca do gol, e o Grêmio recuado, sem forças para atacar. E a iniciativa alvinegra deu resultado já aos 5 minutos, novamente com Keno. O atacante recebeu de Eduardo Sasha na esquerda e, mais uma vez, puxou para dentro e finalizou - agora de fora da área. A bola desviou em David Braz e parou no fundo das redes: 2 a 0.

O gol que poderia abater, pelo contrário, acordou o Grêmio. Apenas quatro minutos mais tarde, Isaque, de direita, completou para as redes uma cobrança de escanteio de Robinho e diminuiu a desvantagem. A partir daí, o jogo ficou mais aberto, com boas oportunidades dos dois lados.

Quando o Grêmio parecia mais perto do gol, uma jogada típica dos times de Sampaoli foi letal. O goleiro Everson mostrou qualidade com os pés e fez um lindo lançamento para o velocista Keno - sempre ele - receber cara a cara com Paulo Victor. O atacante tocou na saída do arqueiro tricolor e fez o terceiro.

Daí em diante, o Grêmio perdeu forças. O Atlético, por outro lado, conseguiu diminuir os riscos defensivos e segurou a vantagem com tranquilidade. Vitória (a terceira consecutiva) garantida e vantagem na liderança ampliada de um para três pontos. (Superesportes)