Cruzeiro tem sua pior campanha na história do Campeonato Brasileiro

Cruzeiro perdeu para o Vasco nessa segunda-feira e se manteve
em 17º no Brasileiro 
Foto: BRUNO HADDAD

Campeão em 2003, 2013 e 2014, vice em 2010 e com outras boas participações no Campeonato Brasileiro por pontos corridos, o Cruzeiro vive cenário inverso em 2019 e já tem a sua pior campanha neste formato. Após a derrota dessa segunda-feira para o Vasco, por 1 a 0, em São Januário, no Rio de Janeiro, o risco de queda à segunda divisão subiu para 90,6%, segundo cálculos de probabilidade do Departamento de Matemática da UFMG.

Ainda que vença Grêmio, nesta quinta-feira, na Arena do Grêmio, e Palmeiras, domingo, no Mineirão, o time celeste chegará a no máximo 42 pontos, número inferior aos 43 somados em 2011, quando escapou do rebaixamento à Série B com vitória sobre o Atlético na última rodada, por 6 a 1, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas.

Há oito anos, a Raposa encerrou o turno da Série A na sétima posição, com 27 pontos, nove a mais que o então 17º, Athletico-PR. No returno, caiu muito de produção e só conseguiu ganhar três partidas. Além dos 6 a 1 em cima do Atlético, houve vitórias sobre Atlético-GO (3 a 2) e Internacional (1 a 0).

Já a equipe de 2019 quase sempre frequentou a parte de baixo da classificação. Nas 19 rodadas iniciais, ficou em 17º, com 18 pontos. Hoje, segue na mesma posição, com 36 pontos em 36 jogos, a dois do Ceará, primeiro time fora da zona da degola.

Gols | Em 2011, o Cruzeiro tinha aproveitamento ofensivo bem superior ao atual. Foram 48 gols em 38 rodadas. O armador argentino Montillo, com 12 gols, e o atacante Anselmo Ramon, com 10, destacaram-se no elenco.

Por sua vez, o grupo atual não dá esperanças ao seu torcedor de que balançará a rede a ponto de emplacar as vitórias necessárias para a fuga do Z4. Com apenas dois gols nas últimas sete partidas, a Raposa marcou 27 no total, acima somente dos já rebaixados CSA - 23; Chapecoense - 26; e Avaí - 17.
Thiago Neves, afastado do elenco pelo gestor de futebol Zezé Perrella, balançou a rede seis vezes e é o artilheiro celeste. Abaixo dele está Fred, com cinco gols, sendo três cobrando pênalti.

Técnicos | A semelhança entre as campanhas é a quantidade de técnicos que dirigiram o clube. Cuca, Joel Santana, Emerson Ávila e Vagner Mancini trabalharam na Raposa no Brasileiro de 2011, enquanto Mano Menezes, Rogério Ceni, Abel Braga e Adilson Batista conduziram o time em 2019.

Pontuação do 16º | Desde que o Campeonato Brasileiro passou a ser disputado por 20 clubes, em 2006, apenas dois clubes ficaram na primeira divisão com 42 ou menos pontos: Atlético-GO, em 2010 (42), e Palmeiras, em 2014 (40). Isso mostra o quão é difícil à situação do Cruzeiro, visto que o Ceará tem possibilidade de atingir 44. (Superesportes)