Diretor do América revela avaliação de 'perfil de treinadores' e elogia Lisca

Lisca passou pelos critérios de toda a diretoria do
América para substituir Felipe Conceição 
Foto: JOÃO ZEBRAL

A troca de treinador não mudou a filosofia de jogo do América. Com linhas de pensamentos parecidas, Lisca foi o escolhido para substituir Felipe Conceição na missão de recolocar a equipe na elite do futebol brasileiro. Em live realizada pelo clube, o diretor Paulo Bracks disse que traça um ‘perfil de técnicos’ que se encaixam com o elenco.

“A gente tem que avaliar os treinadores o tempo inteiro. A gente tem que ver como os treinadores costumam jogar. A gente tem que saber como os treinadores jogam, como eles colocam aquele time para jogar, dentro das peças que ele tem e eu procurei fazer isso (com Lisca). O Cauan de Almeida me auxilia muito nisso, ele me auxilia a fazer o modelo de jogo dos técnicos brasileiros”, disse.

A manutenção do modelo de jogo e do elenco atual foram quesitos importantes na escolha de Lisca para o comando técnico. Segundo Bracks, o novo comandante foi muito ‘transparente’ em aceitar o acordo feito com o clube. “Nosso critério passou pelo modelo de jogo que a gente tinha. Esse modelo foi aprimorado no ano passado, na reta final da Série B. Manter o modelo de jogo, trabalhar com os atletas que a gente tem, isso foi colocado na mesa para contratar. Às vezes, o elenco não agrada o treinador ou ele vai pedir mudanças, contratações. Isso é comum para quem não se planeja para trazer aquele treinador. O Lisca foi muito transparente em aceitar esse acordo”, completou.

Lisca dá sequência ao trabalho de Felipe Conceição, que deixou o clube mineiro para assumir o Red Bull Bragantino ainda em janeiro. Desde então, ele comandou nove jogos, com cinco vitórias e quatro empates. (Superesportes)