Entenda o imbróglio que impede o Deportivo Lara de embarcar ao Brasil para jogo com Cruzeiro

Além da crise interna na Venezuela, um problema de logística ainda impede que o Deportivo Lara deixe Valencia-VEN rumo a Belo Horizonte, onde tem jogo nesta quinta-feira, às 19h15, contra Cruzeiro, pela segunda rodada do Grupo B da Copa Libertadores. A empresa Turpial Airlines, contratada para transportar a delegação em voo fretado, não tem autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) para entrar no Brasil. Por conta do impasse, o Deportivo Lara tenta um acordo para fretar uma aeronave da companhia brasileira Gol Linhas Aéreas. Essa hipótese também é remota, já que a autorização necessária para a empresa entrar no espaço aéreo venezuelano depende de solicitação com maior antecedência. Fontes consultadas pela reportagem consideram inviável a delegação do Lara chegar a BH até esta quinta-feira em voo direto (Venezuela-Brasil), sem passar por outro país sul-americano, da América Central ou do Caribe.

A empresa brasileira Sideral Linhas Aéreas, do Paraná, já fez o fretamento de aviões para clubes brasileiros em outras edições da Copa Libertadores e da Copa Sul-Americana. Um funcionário da companhia informou que um voo como o pretendido pelo Lara, de ida e volta entre Valencia e Belo Horizonte, exige contratação com antecedência de 10 dias. Em alguns aeroportos, a companhia teria condições de agilizar o processo em dois ou três dias.

O Cruzeiro tem auxiliado o Deportivo Lara nos bastidores para tentar uma solução que permita a realização da partida nesta quinta-feira. Três delegados da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) estão em Belo Horizonte desde terça-feira e acompanham o trâmite para tomar uma decisão sobre a realização da partida, um novo adiamento ou a perda de pontos da equipe venezuelana.

A última previsão oficial era que o Deportivo Lara deixasse o país ainda na noite dessa terça-feira, com chegada prevista em Belo Horizonte na manhã desta quarta. Porém, por volta de 9h30, o Twitter oficial do clube postou um vídeo mostrando toda a delegação tomando café da manhã em um hotel na cidade de Valencia. Em seguida, o perfil retratou um treino e um almoço no hotel da cidade venezuelana.

O artigo 169 do Regulamento da Conmebol Libertadores trata sobre a possível ausência de um time em alguma partida da competição. Caso seja comprovado que o atraso se deu por falta de planejamento, e não apenas pela crise na Venezuela, o Deportivo Lara está sujeito a sanções pesadas. “Se um time não apresenta-se a uma partida (exceto em casos de força maior) ou nega-se a continuar a jogar ou deixa o campo antes do final da mesma, o time em questão será considerado perdedor da partida e, como regra geral, será excluído da participação da competição”. Já o artigo 170 aponta para o risco de agremiação penalizada perder a remuneração financeira da Conmebol. (Superesportes)