Galvão Bueno critica decisão de Rogério Ceni de trocar Fortaleza pelo Cruzeiro

Durante a apresentação do programa Bem Amigos, do Sportv, nessa segunda-feira, Galvão Bueno criticou a decisão de Rogério Ceni de deixar o Fortaleza para assumir o Cruzeiro. O narrador destacou os feitos do técnico no clube cearense e afirmou que contratos deveriam ser cumpridos até o fim. 

“Acho que ele deveria ter cumprido o contrato até o final com o Fortaleza. Por que a gente critica de forma tão dura quando clubes rompem com o treinador? Não acho que um técnico importante deva romper o contrato, mesmo que haja comum acordo. Defendo até a morte que os clubes têm de cumprir com o treinador. Desejo toda a sorte do mundo ao Rogério. Mas contrato é feito para ser cumprido. Tenho 45 anos de profissão e cumpri todos os meus contratos. Se for discutir conceitualmente, não tem que haver demissão, tem que cumprir contrato até o final, mas não acho que o Rogério tenha de mudar isso. Essa coisa é com a CBF. Acho que só deveria ter uma troca no campeonato. Dito isso, o que acontece com Rogério e Fortaleza? O presidente o tratou como o maior técnico do Fortaleza. Não só conquistou títulos do Campeonato Cearense e da Copa do Nordeste, mas reestruturou o departamento de futebol do Fortaleza. A forma como você sai diz muito sobre a relação, e ele sai só com palavras de carinho de quem queria que ele continuasse”, declarou Galvão. 

Presentes no programa, o ex-atacante Caio Ribeiro e o ex-treinador Muricy Ramalho, que trabalharam com Rogério Ceni no São Paulo, também opinaram sobre o caso. 

“Acho que chegou uma hora que o Rogério falou ao presidente (do Fortaleza) que estava perdendo os jogadores na Copa América. Não sei se é isso. Talvez nem o Rogério admita. Pensou: "cara, agora é o Cruzeiro". Agora é uma situação que vou dar o salto na carreira e não vamos crescer mais aqui com o Fortaleza". Acredito que o presidente do Fortaleza disse: ‘Vai ser feliz, você já fez muito pela gente’. Não acho errado o Rogério aceitar, principalmente porque o Rogério não tem o que perder”, comentou Caio. 

Já Muricy admitiu que aprovou a decisão de Rogério de continuar no Fortaleza mesmo com a proposta do Atlético e disse não saber se a transferência para a Toca da Raposa será boa para o antigo comandado. O ex-técnico apontou as dificuldades que aguardam Ceni no Cruzeiro, atualmente na zona do rebaixamento do Campeonato Brasileiro, mas ressaltou que o ex-goleiro é movido a desafios. 

“Não quero ser exemplo, mas quando ele não veio para o Atlético fiquei feliz, não pelo Atlético, mas porque tomou a decisão de continuidade. Ele quer ser um técnico de ir para lá e para cá? Eu escolhi outro caminho. Tive outras oportunidades para mudar e não fui nem para a Seleção Brasileira. Escolhi esse caminho. Todos queriam me contratar, porque sabiam que eu ia entregar e ficar lá. A gente reclama muito de continuidade de trabalho. Critica sempre que não tem continuidade. Mas, dentro do clube, tem muita coisa que a gente não sabe. A gente não sabe como está a relação. Às vezes falam que foi tudo bem na saída e não foi nada disso. Rogério sabe que o passo que está dando é importante, vai pegar uma pedreira. Estava num clube que ele tinha tudo nas mãos, ele mexeu com estrutura, contratações e fez um outro Fortaleza. Rogério foi feito para desafios. Não deixava ninguém jogar, até machucado jogava. Vivia para recordes. A gente não sabe 10% do que acontece nos clubes. Está indo para um clube que tem estrutura fortíssima. Ele não veio para o Atlético, achei legal. Estava seguindo um trabalho. No fim do ano, vão ter muitos times atrás do Rogério. Você via um time treinado no Fortaleza. Essas mudanças não sei se são boas para ele”, concluiu. 

Rogério Ceni comandou o Fortaleza em 94 jogos desde 2017, com 51 vitórias, 18 empates e 25 derrotas. Ele foi campeão da Série B do Campeonato Brasileiro, do Campeonato Cearense e da Copa do Nordeste pelo Tricolor. O Cruzeiro será o terceiro clube de Ceni como treinador. Antes de dirigir o Fortaleza, ele esteve à frente do São Paulo por seis meses em 2017. O vínculo do ex-goleiro com a Raposa será até o fim de 2020. (SuperEsportes)