Ministro promete analisar pedido de intervenção em Minas Gerais

O ministro Carlos Marun, secretário de Governo da Presidência da República, recebeu ontem (5), no início da tarde, no Palácio do Planalto, a direção da Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene (AMAMS) e da Associação dos Municípios do Noroeste de Minas (AMNOR), quando discutiu o pleito dos prefeitos para que seja decretada intervenção financeira em Minas Gerais, por causa da retenção indevida dos recursos constitucionais do IPVA, ICMS e Fundeb  e ainda a retenção dos convênios de assistência social, saúde e educação. Ele explicou que apesar da exiguidade de prazo, pois faltam menos de 25 dias para terminar o atual Governo, estão sendo analisadas as perspectivas sobre esse assunto.

A audiência marcada pela AMAMS contou com as presenças do presidente da entidade, Marcelo Felix, prefeito de Januária, e do secretário-executivo Ronaldo Mota Dias, que é conselheiro da Associação Brasileira dos Municípios; além de Rutílio Eugenio Cavalcanti, prefeito de Urucuia e presidente da AMNOR. O ministro Carlos Marum ficou impressionado com os dados apresentados pelas duas entidades municipalistas sobre o montante retido e os impactos causados aos moradores, que estão sem acesso a vários serviços públicos. Para evitar o agravamento da situação, a AMAMS e AMNOR propuseram essa imediata intervenção.

O presidente Marcelo Felix, prefeito de Januária, salienta que a entidade cumpriu sua missão de acionar o Governo Federal para alertar sobre o quadro provocado pelo Estado. Ele lembra que muitos prefeitos estão com dificuldades de pagar os salários desse ano e ainda o 13º salário e a solução seria essa reação. A AMAMS agora espera uma reunião com o governador eleito, Romeu Zema, para buscar uma solução para a crise no Norte de Minas.