Dia Mundial Contra a Agressão Infantil

Celebrado anualmente em 4 de junho, o Dia Mundial Contra a Agressão Infantil busca esclarecer informações sobre a luta contra a todas as formas de agressão entre crianças e adolescentes, pois as marcas que ficam não são apenas físicas, mas também emocionais.

Em Montes Claros, foram registrados 700 casos de agressão infantil nos últimos dois anos. Por esse motivo, faz-se necessário que os adultos estejam atentos e sempre vigilantes a quaisquer sinais de mudança de comportamento, tristeza ou abatimento que eles apresentem.

Combater a agressão infantil não é tarefa fácil, visto que muitas vezes a criança ou o adolescente não tem coragem de contar que está sendo vítima de maus tratos e violência, por razões associadas ao medo ou à vergonha. Para a conselheira tutelar Júnia Magalhães, esse é um assunto grave que assola a sociedade e é muito importante falar a respeito. “Quando falamos, nos lembramos de que a violência existe. Com a conscientização, podemos encontrar meios e maneiras para combater todos os tipos de problemas”, afirma.

Dados do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) apontam que 80% das agressões físicas sofridas por crianças e adolescentes foram causadas por parentes próximos e que a cada hora morre uma criança queimada, torturada ou espancada pelos próprios pais ou responsáveis. Nesta data é importante ressaltar sobre qualquer suspeita de violência ou agressão, a denúncia deve ser encaminhada para o Conselho Tutelar o mais rápido possível, pois as crianças podem estar em questão de vulnerabilidade. Para saber o telefone do Conselho Tutelar mais próximo de sua casa ligue para o número 100, a ligação é gratuita e é assegurado o anonimato.

Júnia Magalhães evidencia a Lei Menino Bernardo, sancionada em 26 de junho de 2014, lei brasileira que alterou o Estatuto da Criança e do Adolescente para estabelecer o direito de serem educados e cuidados sem o uso de castigos físicos ou de tratamento cruel ou degradante.