Parlamentar pede rodízio de água para não faltar no futuro

Vereador Edmilson Magalhães
Foto: ASCOM/CÂMARA

Devido à falta de chuva, a água começa a diminuir nos reservatórios e a água retirada do rio do Pacuí não tem sido suficiente para atender toda população de Montes Claros e pode vir a faltar para todos, o alerta foi feito pelo vereador, Edmilson Magalhães (PSDB), que lembrou que a solução seria o rodizio da água que assim todos teriam acesso ao liquido precioso. O parlamentar disse ainda que o maior reservaria da cidade que fica em Juramento está apenas com 25% da sua capacidade total. Se não houver rodizio, pode trazer problemas graves para a população, já que as chuvas normais só acontecem em final de Novembro e que todos tem que ter consciência. Deve-se usar a água com responsabilidade para não faltar, já que na zona rural esta faltando água até para o consumo humano.

 

Ministério sem faxina por causa dos cortes orçamentários

Os ministros não sabem mais que argumentos usar para convencer o presidente Jair Bolsonaro a fazer com que o ministro da Economia, Paulo Guedes, libere mais recursos. Os cortes estão levando os ministros a atitudes extremas, como o do Meio Ambiente, que avisou que não tem dinheiro nem para a faxina. O ministro Ricardo Salles, avisa, que apesar dos cortes, não haverá nenhum impacto no orçamento das “atividades-fim”, como as ações de fiscalização e combate a incêndios do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e do Instituto Chico Mendes de Biodiversidade.

 

Governo veta 19 pontos da Lei de Abuso de Autoridade

O presidente da República, Jair Bolsonaro, sancionou na quinta-feira a Lei de abuso de autoridade (Lei 13.869/19) com 19 vetos. A matéria foi aprovada na Câmara no mês passado (PL 7596/17). Entre os pontos vetados estão a obrigação de o policial se identificar ao preso e a proibição das seguintes condutas: uso de algemas, operações policiais desproporcionais, iniciar investigação penal, civil, ou administrativa sem justa causa ou contra inocentes. Os vetos serão analisados pelo Congresso Nacional e poderão ser derrubados pelo voto da maioria absoluta de cada Casa: 41 senadores e 257 deputados. Parlamentares analisam vetos em sessão conjunta do Congresso. O relator da proposta, deputado Ricardo Barros (PP-PR), criticou alguns pontos vetados e destacou que o Congresso terá protagonismo para definir o texto final. “É lamentável permitir que se abra uma persecução penal sem justa causa, permitir que se prenda alguém sem o devido fundamento jurídico, que se algeme um pai de família que não oferece risco, mas isso tudo vai ser avaliado pelo Congresso Nacional”, afirmou. Barros destacou que o projeto foi aprovado por acordo na Câmara dos Deputados.

 

Um conselho ao presidente

Bolsonaro segue como um apologista da metodologia do berro, lembrando a todos, e todo instante, que se proclama todo-poderoso. É fato que o PT corrompeu tudo e que o restauro de uma linha íntegra e honesta não é fácil. Ele não tem competência para de ser firme com a elegância de um Winston Churchill, e segue sua cruzada com a boca chula, revidando ataques com golpes abaixo da linha da cintura do adversário ou do provocador. No âmbito interno, tenho tentado descobrir o que Bolsonaro pretende, ao minar territórios de ministros que ele próprio escolheu, com suposta carta branca. E sempre o vejo perdido nos labirintos do poder, tentando ocupar a Praça dos Três Poderes com os seus imaginários tanques de guerra. Seria tão mais simples se ele seguisse o ensinamento do Centro de Instrução de Guerra na Selva aos alunos que se perderem na floresta: pare, descanse, busque orientação, e retome a caminhada.