Presidente pede melhoria na zona rural e construção e ponte urgente

O Presidente da Câmara dos Vereadores de Montes Claros, Marcos Nem (PSD), que faz parte da bancada ruralista, disse que a Prefeitura tem que agir na zona rural urgente, já que têm localidades Santa Cruz, Ermidinha e várias outras localidades estão intransitáveis, num grave prejuízo, não somente para os agricultores, que têm dificuldades para escoar suas mercadorias como o trânsito escolar, que fica prejudicado. Marcos disse que acredita no secretário da Agricultura, Osmane Barbosa, mas entende que sua secretaria não dispõe de todo maquinário que necessita para melhorar as condições de vida da população e que ele vai apelar ao prefeito Humberto Souto para equipar aquela secretaria para que seja feito as obras necessárias para melhora á vida dos moradores.

 

STF bloqueia R$1,6 mi de Aécio e irmã

O deputado federal Aécio Neves, do PSDB de Minas, tem se mantido distante dos noticiários até agora, mas os ministros do Supremo Tribunal Federal decidiram tirá-lo do ostracismo. A Primeira Turma do STF decidiu bloquear bens do tucano e da sua irmã, Andrea Neves, no valor de R$1.686.600 para cada um deles. A medida está relacionada ao processo em que os irmãos foram denunciados e tornados réus por supostamente terem solicitado e recebido R$2 milhões em propina pagos por Joesley Batista, do grupo J&F. A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, queria o bloqueio de R$7,4 milhões.

 

Governo comemora resultados de janeiro e fevereiro

As medidas tomadas pelo governador Romeu Zema para tentar equilibrar as contas do Estado estão começando a surtir efeito, segundo o governador. Mas muitos que acompanham a sua gestão estão preocupados, não só com a situação dramática do Estado, agravada com o rompimento da mina da Vale, em Brumadinho, como com o imobilismo do governo em buscar atrair novos investimentos. Pelos dados divulgados pelo governo, em janeiro e fevereiro foram arrecadados R$17,1 bilhões, reforçado com o recolhimento do IPVA. Desse total, R$13,1 bilhões foram comprometidos com as despesas do período, gerando um superávit de R$ 4 bilhões. Este superávit foi 48,1% maior, se comparado ao mesmo período de 2018, quando houve um excedente de R$2,7 bilhões. O secretário da Fazenda, Gustavo Barbosa, acredita que os números comprovam que Zema está cumprindo o compromisso assumido de reduzir as despesas da administração estadual.

 

Procuradora mineira é punida com duas penas de censura

A procuradora de Justiça de Minas, Camila Fátima Teixeira, foi punida pelo Conselho Nacional do Ministério Público com duas penas de censura, por instigar a desordem pública, atacando de maneira desrespeitosa instituições do Estado e ofendendo a honra de ministros do Supremo. Ela se identificava em sua conta no Twitter como Camila Moro para colocar postagens como “generais, saiam do Twitter e posicionem seus homens no entorno do STF, até que Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli entreguem suas togas. Marquem o dia que vamos juntos: Brasileiros + Exército salvaremos a Lava Jato”. Em outro escreveu “Que venha a intervenção militar e exploda o STF e o Congresso de vez”.

 

Ciro versus Gleisi

O clima entre Ciro Gomes (PDT-CE) e a petista Gleisi Hoffmann desandou de vez. Após dizer se sentir “agredido, caluniado, atropelado pelas costas, por essa canalha cúpula do PT”, Ciro Gomes emendou, chamando Gleisi de “chefe de quadrilha e que ela e seu marido estão enrolados em tudo” e provocou questionando “Quantos tesoureiros o PT tem? Estão todos presos. Lula apoiou Sérgio Cabral até o gogó. Quem nomeou Michel Temer vice, contra minha opinião?”. A presidente do PT usou a sua rede social para responder Ciro chamando-o de “coronel oportunista ressentido e covarde” e divulgou uma nota do PT dizendo que “ao atacar o PT, Lula e nossa presidenta Gleisi Hoffmann, Ciro se alia aos que atacam a democracia, os direitos sociais e a esquerda brasileira”.

 

OAB ajuíza ação contra Medida Provisória sobre contribuição sindical

O Conselho Nacional da OAB ajuizou, junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) contra a Medida Provisória 873/19, editada pelo presidente Jair Bolsonaro, que altera pontos da CLT sobre contribuição sindical, reforçando a desobrigação da contribuição.  Para a Ordem, o objetivo é dificultar ao máximo o processo de organização e manifestação da sociedade civil no que se refere às entidades representativas dos trabalhadores em geral. Na ação, a OAB destacou o impacto que a MP traz para as entidades sindicais: elas terão severamente dificultado o recolhimento das contribuições que provêm seu sustento e o financiamento de suas atividades.