Carlos Pimenta questiona exclusão do Luz para Todos

o deputado

O deputado Carlos Pimenta ficou surpreso com a constatação de que Minas Gerais está fora do novo contrato do Programa Luz para Todos, que prevê a aplicação de R$ 1,1 bilhão para atender 95 mil famílias rurais. Em discurso na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, o deputado explicou que existe uma grande demanda de comunidades rurais por energia elétrica, pois em pleno século XXI, ainda existem pessoas usam lamparinas para fugir da escuridão. Porém, o que o surpreendeu é que foi pesquisar como estava o Programa Luz para Todos, quando constatou que foi realizado novo contrato para ser executado até o ano de 2022, com a participação de vários Estados, mas deixando Minas Gerais de fora.

Na sua visão, existe necessidade de ser realizada uma audiência publica na Comissão de Direitos Humanos ou na Comissão do Consumidor para a Cemig esclarecer o motivo da ausência de Minas Gerais no Programa Luz Para Todos. O seu temor é que a estatal mineira de energia esteja preocupada apenas com a privatização e tenha deixado de cumprir a função de pedir novas redes de energia elétrica. Segundo Carlos Pimenta, se a Cemig permanecer com essa inoperância, que haja a privatização de imediato, pois são milhares de pessoas esperando energia elétrica.

Outro discurso do deputado Carlos Pimenta foi de criticar mais uma vez a posição do presidente Jair Bolsonaro, que na véspera havia criticado o presidente Bolsonaro pela afirmação de que a vacina contra a Covid-19 não seria obrigatória. Ele voltou a condenar o chefe do Executivo por recusar adquirir a imunizante fabricada pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. “A vacina não tem nacionalidade. Ela tem que ter, sim, segurança, eficácia para produzir anticorpos e capacidade de ser ofertada em abundância”, afirmou.

O deputado se disse indignado com a postura do presidente de desautorizar o próprio ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que havia anunciado a governadores a compra de 46 milhões de doses da vacina. Na opinião do deputado, a questão virou “brigazinha” política motivada pelas eleições de 2022: “É uma briga insana, terrível, impatriótica”. Ele afirmou que os demais países já estão se preparando para adquirir vacinas para combater a doença, citando como exemplo os Estados Unidos. Carlos Pimenta voltou a lamentar a morte de quase 160 mil brasileiros pelo coronavírus e exaltar o trabalho e o sacrifício dos profissionais de saúde que se dedicam ao enfrentamento da pandemia. (GA)