Parlamentar insiste com Educação ambiental na grade curricular

Vereador Soter Magno
Foto: ASCOM/CÂMARA

Um dos maiores problemas enfrentados por todos os países do mundo é o aquecimento global que já vem sendo sentido por toda população, e no Brasil isso não é diferente, tanto que o clima que antes se divida em quatro estações bem definidos, hoje não se pode mais fazer uma programação sobre frio ou estação quente. O principal problema é que o clima mundial mudou radicalmente devido os desmatamentos feitos de forma desenfreada e irregular, poluição em grande escala e outros problemas relacionados á má conservação do meio ambiente.

Existem muitas ONGs, ministério e secretarias estaduais e municipais que cuidam do Meio Ambiente, mas nada disso parece ter forças para coibir a ação do homem na degradação do meio em que vive e por isso trazendo sérios riscos a vida social. Segundo o vereador, e Presidente da Comissão de Meio Ambiente, Soter Magno (PP), a única maneira de poder reverter esse quadro a médio e longo prazo é o ensino feito nas escolas para as crianças, adolescentes e jovens de hoje, para que num futuro próximo eles sejam os agentes de conservação e de conscientização para que o meio ambiente seja conservado. Magno lembrou que já existe um projeto de lei parado na Câmara Federal para que seja obrigatória nos ensino fundamental e Médio na grade de ensino das escolas a matéria de Educação Ambiental.

Mas que agora o Humberto Souto, poderia dar um passo além do que vem sendo pleiteado pelo parlamentar federal e instituir na grade de ensino das escolas Municipais o Ensino de Educação Ambiental. Segundo o parlamentar, é preciso que Montes Claros saia na frente, pois é uma cidade polo, onde pode servir de exemplo para outras cidades e com isso dar uma grande contribuição para melhorar a qualidade de vida dos moradores: “O que realmente precisamos fazer é sair do discurso e ir para a prática, pois o nosso ambiente vem sendo duramente agredido e pouco se tem feito pelos poderes públicos, já que dependemos basicamente das ONGs. A prefeitura poderá determinar isso para os estudantes do Ensino Fundamental inicialmente e posteriormente adotar isso para o ensino Médio, e tenho certeza de que estaremos dando um grande salto para melhorar o nosso ambiente, pois teremos em nossos jovens e crianças os autênticos defensores da nossa fauna e flora, mas para isso é preciso municiar a todos com conhecimento da necessidade de preservação dos nossos rios, animais e vegetações. Eu sei que se ensinar para os nossos estudantes, vamos ter um grande exercito a favor da vida e o custo para o município não era oneroso e o resultado será gratificante. Como homem público quero fazer mais do que simplesmente denunciar derrubada de arvore, lixo inadequado em lugares que agridem a natureza, temos que ensinar mesmo a geração que está chegando, pois eles, já conscientes da necessidade de melhorar o meio ambiente e com informações desde muito cedo nos bancos das escolas, serão os fiscais da natureza e os conservadores. Então não precisaremos mais punir os que transgridem a lei e muitos por falta de informação das consequências dos seus atos. Vou estar com o prefeito e a secretaria municipal da educação para tentar que ano que vem, os nossos estudantes já tenha essa matéria na grade de ensino nas escolas municipais.” Concluiu. (VS)