Prêmio de concurso do governo é passar uma tarde com Michelle Bolsonaro e Damares Alves

Michele Bolsonaro
Foto: ASCOM/CÂMARA

O governo Bolsonaro, através do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, lançou edital para um concurso nacional que irá premiar as quatro melhores máscaras criadas por crianças. O prêmio para os vencedores do concurso é passar uma tarde com a ministra da pasta Damares Alves e a primeira-dama Michelle Bolsonaro. O objetivo, segundo o Ministério, é incentivar o uso do acessório pelas crianças de todo o Brasil em virtude da pandemia do coronavírus e também “fortalecer as relações familiares”. Um dos requisitos é que a atividade seja feita em conjunto e com o apoio de um adulto, seja pai, mãe ou responsável legal. O concurso é dividido em duas categorias, até seis e até 12 anos, e poderá ser inscrita apenas uma máscara cadastrada por CPF do pai ou da mãe.

 

 

Medida Provisória 966/20

 

A Medida Provisória 966/20 veio para bagunçar a administração pública do país. A medida é um salvo-conduto por eventuais irregularidades nas aquisições de produtos e equipamentos para o combate à pandemia. Segundo a BBC Brasil, por ordem de Bolsonaro, o Exército já fez mais hidroxicloroquina do que em dez anos. O Congresso não vai poder esperar a validade da MP, que é de no máximo 60 dias, prorrogáveis por mais 60. Em 120 dias os estragos poderão ser imensos. A MP 966 tem de receber o veto imediato do Congresso, para que os parlamentares não sejam coniventes com este absurdo. O presidente não está qualificado para receitar o medicamento citado, nem o general Pazuello de recomendá-lo. Portanto, é uma temeridade e uma ilegalidade essa liberação.

 

 

 

Deputado médico erra previsão do covid-19

 

Exatamente no dia 13 de abril o deputado Osmar Terra – que fez de tudo para ser o Ministro da Saúde – soltou esta pérola no seu Twitter: “está terminando a epidemia em São Paulo. O pico foi no final de março. Uma quarentena inútil”. Naquele dia São Paulo tinha 608 mortos e 8.895 contaminados. Ontem eram quase 5.300 mortos e cerca de 70 mil contaminados. Osmar Terra falou para ver se agradava Bolsonaro e tornava-se ministro.

 

 

Centrão avança no governo

 

O centrão, através do partido Republicanos (que era da Igreja Universal) está ganhando um posto mais que estratégico do Ministério da Agricultura: a secretaria de Polícia Agrícola. Para o lugar vai o ex-deputado federal por Tocantins, Cesar Halum, que se candidatou ao Senado nas últimas eleições e perdeu. Mas apoiou a Bolsonaro que está com receio do impeachment.

 

 

 

De volta para o passado

 

Finalmente, a taxa de desemprego, apenas no meio político, começou a diminuir no governo Bolsonaro. Carlos Marun, ex-ministro-chefe da Secretaria de Governo da gestão Temer (MDB), e o deputado José Carlos Aleluia, do DEM, parlamentar citado na delação da Odebrecht, são reconduzidos para Conselho de Administração da Itaipu Binacional. E o centrão segue com um Paulo César Oliveira.

 

 

 

Câmara dos Deputados aprova política de segurança de barragens

 

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou substituto ao Projeto de Lei que traz alterações na política nacional de segurança de barragens, com impactos principalmente sobre o setor de mineração. O substitutivo aprovado é de autoria do relator do projeto original, deputado Joaquim Passarinho, PSD-PA, e contempla argumentações apresentadas pelo Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM). O projeto também proíbe a construção ou alteamento de barragens de mineração pelo método a montante, considerado mais perigoso e utilizado em estruturas que romperam mais recentemente, como Brumadinho e Mariana, em Minas Gerais. A matéria agora segue para o Senado.