Presidente destaca transparência e participação na ALMG

Em sua participação de forma virtual, o presidente do Legislativo
defendeu os princípios democráticos

A abertura do 1º Seminário Mineiro de Integridade, nesta segunda-feira (28), contou com a participação do presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), deputado Agostinho Patrus (PV). Ele destacou o compromisso da Casa com a transparência, a participação popular e a fiscalização de políticas públicas.

O evento, que tem uma programação de palestras e debates virtuais até amanhã (30), trata da promoção e do estímulo à integridade pública. Na abertura, o controlador-geral do Estado, Rodrigo Fontenelle, destacou que o objetivo é fortalecer um sistema de integridade que não vai deixar de contar com sanções para os desvios, mas que vai privilegiar ações preventivas contra a corrupção.

Em sua participação, o presidente Agostinho Patrus defendeu os princípios democráticos e reafirmou o compromisso da ALMG com a transparência e a abertura para a participação de todos os mineiros e mineiras nas decisões. Ele destacou, em especial, as audiências públicas e a discussão participativa nas questões orçamentárias. “Mesmo diante da pandemia, privilegiamos a participação virtual para que os mecanismos de transparência continuem disponíveis”, disse.

Agostinho Patrus salientou, ainda, a importância do evento Assembleia Fiscaliza, no qual gestores do Estado prestam contas das ações das secretarias e órgãos pelos quais são responsáveis. Por fim, ele destacou o papel da imprensa na ampliação do alcance e da visibilidade das informações.

 

Protocolo – Durante a sessão de abertura, foi apresentado protocolo de intenções assinado virtualmente pelas instituições que participaram da criação da Rede Mineira de Integridade (RMI). Além da ALMG, assinaram o Poder Executivo, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais, o Ministério Público de Minas Gerais, a Defensoria Pública Estadual e o Tribunal de Contas do Estado.

A Rede pretende valorizar o trabalho colaborativo e a ação coletiva para a difusão da cultura íntegra e ética tanto na administração pública quanto nas relações entre o setor público e toda a sociedade. Outras entidades, como universidades e organizações da sociedade civil, deverão se juntar posteriormente à rede em uma agenda positiva na valorização do setor público mineiro e na busca por uma sociedade mais íntegra, justa e sustentável. (Portal ALMG)