Primeiro passo na Reforma da Previdência pode acontecer ainda em 2018

O presidente eleito Jair Bolsonaro disse em entrevista exibida na segunda-feira, que já será um “grande passo” se o Congresso aprovar, ainda este ano, mudança para idade mínima para aposentadoria no serviço público e no privado. Tramita atualmente na Câmara dos Deputados uma proposta do governo para reforma da Previdência. O projeto prevê idade mínima de aposentadoria de 62 anos para mulheres e 65 para homens (para trabalhadores do setor público e privado), com a regra de transição até 2042.

Há exceções, como nos casos de professores, policiais e trabalhadores em condições prejudiciais à saúde. “O grande passo no meu entender, neste ano, se for possível, passar para 61 anos no serviço público para homem e 56 para mulher e majorar também um ano nas demais carreiras. Acredito que seja um bom começo para a gente entrar o ano que vem já tendo algo de concreto para nos ajudar na economia”, disse.

Bolsonaro concedeu a entrevista à emissora católica na última quinta-feira (1º), mas a conversa foi exibida nesta segunda, no início da tarde. O futuro presidente afirmou também, durante a entrevista, que não dá para generalizar idade mínima. “Fala-se muito em 65 anos. Mas você não pode generalizar isso daí. Tem certas atividades que nem aos 60 é compatível a aposentadoria. Nós devemos manter essas questões. Você vê a expectativa de vida do policial militar no Rio de Janeiro, não tenho o valor exato aqui, mas está abaixo de 60 anos. Então, não é justo botar lá em cima isso daí”, disse.

O presidente eleito também afirmou que quer acabar com incorporações. “No serviço público, por exemplo, nós devemos acabar com as incorporações”, complementou. Ele disse que, apesar do “desânimo em Brasília” após as eleições, vai tentar aprovar algo da reforma ainda este ano. “Eu tenho experiência do que acontece depois das eleições. Há um desânimo em Brasília. O que eu vou tentar é aprovar alguma coisa na reforma de Previdência”, disse.

“Queremos dar um passo, por menor que seja, mas dar um passo na reforma da Previdência, que é necessária”, disse.