ÚLTIMA | Bolsonaro cooptado

Pressionado pela cúpula do Congresso, por líderes aliados e por investidores, o presidente Jair Bolsonaro entrou diretamente no jogo da aprovação da reforma da Previdência e deu sinal verde para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, organizar e encaminhar para ele os pedidos de nomeações para o segundo escalão do governo nos estados, uma prática legítima e comum a todos os governos. Bolsonaro, no entanto, fez questão de ressaltar o seu desejo de que os indicados tenham boa reputação.

Ungido por tal poder, Rodrigo Maia, que não suporta Onyx Lorenzoni, já aproveitou a sua ausência, motivada por viagem ao exterior, para receber em sua residência oficial a líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL). Rodrigo Maia e Joice Hasselmann articularam nomes para ocupar os cargos e agendaram a ida de líderes partidários para conversas diretas, a partir desta semana, com o presidente.

Entende Maia que, só o fato de o presidente receber e conversar com os parlamentares já vai fazer muita diferença no humor de deputados e senadores, que gostam de se sentir prestigiados. Maia considera que tudo isso faz parte da boa política e ousa até uma pitada de ironia: “O Palácio tem um charme danado”.