Cientista da Nasa atuou em fazenda de gado em Pirapora

Ivair Gontijo

O cientista e engenheiro Ivair Gontijo, um dos responsáveis pela missão “Mars 2020”, da Nasa, que lançou um robô para Marte, para saber se já houve vida no planeta, residiu em Pirapora, de onde saiu para o mundo cientifico. Depois de ter formado em técnico em Agropecuária, pelo Instituto Federal de Minas Gerais, Ivair Gontijo foi residir em Pirapora, em fazenda de gado, onde teria atuado como gerente. Ele saiu de lá para fazer o curso de Engenharia Física na Universidade Federal de Minas Gerais. Nascido na cidade Moema, o cientista tem doutorado no Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade de Glasgow, na Escócia.

Nessa missão, está sendo utilizado um veículo batizado de “Perseverance”. O robô vai iniciar uma série de tarefas em Marte. Para começar, produzirá oxigênio a partir do gás carbônico coletado da atmosfera de Marte e também procurará por sinais que possam confirmar se houve vida no planeta em uma área há três bilhões de anos. A missão será fotografada e filmada por um pequeno helicóptero, que fará voos curtos diários para coletar imagens. Além de coletar amostras do solo e colocar em micro tubos que vão ficar espalhados na imensidão de Marte.

Ivair Gontijo é filho de uma família numerosa e viu uma televisão pela primeira vez em 1969, durante a transmissão da chegada do homem à Lua. Esse fato marcaria a sua vida e serviria de inspiração ao longo de toda a sua carreira. Depois de se formar num colégio agrícola, foi trabalhar na Fazenda Água Branca, que ficava a 100km da cidade mais próxima e não tinha luz elétrica. Viveu alguns anos isolado como um astronauta no espaço. A despeito do ceticismo dos colegas da fazenda, pediu demissão e se matriculou num cursinho pré-vestibular. Queria estudar física na UFMG, a Universidade Federal de Minas Gerais. Passou, se formou e logo entrou para o mestrado em óptica na mesma instituição.

A partir daí, construiu uma promissora carreira acadêmica. Fez o doutorado em optoeletrônica no departamento de engenharia elétrica da Universidade de Glasgow, na Escócia, e dois pós-docs: um na Universidade Heriot-Watt, em Edimburgo, e outro na UCLA, a Universidade da Califórnia em Los Angeles. Os registros indicam que ele estudou em escolas públicas no interior de Minas Gerais até os 18 anos. Chegou a fazer um curso técnico em agropecuária e trabalhou na região da nascente do Rio São Francisco, que seria na cidade de Pirapora.

Porém apesar de uma emissora de TV apontar que ele atuou em Pirapora, outra publicação cita Diamantina. A contradição é que o rio São Francisco não passa em Diamantina. Ivair Gontijo explica que "Trabalhar em uma fazenda aguça primeiro a curiosidade da gente, vendo aquela noite tão escura, aquele céu espetacular – e [surge] a vontade de criar uma carreira científica. Então, eu trabalhei na fazenda por três anos economizando dinheiro para ir para Belo Horizonte estudar".