Horta urbana contribui com ressocialização de adolescentes acautelados em Pirapora

O Centro Socioeducativo de Pirapora vem desenvolvendo há nove meses, em parceria com a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública e a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater), o projeto Horta Urbana – Plantando a Liberdade. O projeto consiste na mobilização de jovens acautelados com a capacitação teórica e prática do plantio de legumes e verduras. Além da profissionalização, a horta também é utilizada de forma interdisciplinar, tanto nas aulas temáticas da escola estadual, instalada dentro da unidade, quanto nos atendimentos desenvolvidos pela equipe de atendimento: psicólogos, assistentes sociais, pedagogos, enfermeiros, entre outros.

Os profissionais da unidade foram capacitados por um técnico da Emater e hoje atuam como multiplicadores. O técnico também ministrou as aulas teóricas e práticas da oficina, e os jovens que concluíram as duas etapas receberam certificação. Agora, o trabalho de cultivo é orientado pelos multiplicadores e o técnico realiza uma consultoria mensal, de forma presencial, ou sempre que acionado – em caso de algum questionamento. Um exemplo é a assistente social Layse Oliveira, que decidiu inovar e realizar atendimentos fora de quatro paredes, usando a horta como espaço de diálogo com os jovens.

Já o professor de língua portuguesa e inglesa da escola estadual da unidade, Amilton Melo, usa a iniciativa como tema para a elaboração de textos, rodas de conversa, levantando, por exemplo, o debate sobre a importância da horta urbana e outros trabalhos, dentro e fora de classe. “Tem sido proveitosa a interlocução com a experiência que eles estão tendo”, afirma. Amilton Melo também promoveu um concurso de redação, cujo tema foi o cultivo da horta. (RA)