IEF anuncia projeto arquitetônico para unidades de conservação

As unidades de conservação estaduais de proteção integral na Bacia Hidrográfica do rio São Francisco terão sua infraestrutura adaptada em novo projeto arquitetônico, que será implantado nas portarias e sedes administrativas de parques, monumentos naturais, reservas ecológicas e outras unidades. O projeto foi aprovado pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF) e o primeiro projeto será executado na Estação Ecológica Mata do Cedro, localizada em Carmópolis de Minas, no Centro Oeste mineiro e  já foi aprovado pela Câmara de Proteção da Biodiversidade e Áreas Protegidas (CPB), do Conselho de Política Ambiental (Copam), e tem previsão de início das obras neste ano.

O arquiteto e analista ambiental da Diretoria de Administração e Finanças (DAF) do IEF, Marcelo Almeida, que integra a equipe responsável pelo projeto, explica que a intenção foi de buscar um modelo que tivesse uma identidade visual que valorizasse o IEF e Minas Gerais. A escolha dos materiais será feita de acordo com as características da unidade de conservação e da região. “No caso do Norte de Minas, região mais quente, as edificações terão janelas maiores, permitindo mais ventilação”, explica. Já em áreas mais frias, serão privilegiados materiais que retém mais o calor.

O projeto surgiu da ideia de buscar um modelo padrão para as unidades de conservação que ainda não dispunha desse tipo de estrutura. Ele garante mais funcionalidade, economia de materiais e sustentabilidade às sedes administrativas e portarias das unidades de conservação estaduais de proteção integral que ainda não possuem essas estruturas. O diretor Geral do IEF, Antônio Malard, explica que o projeto foi concebido para as unidades de conservação de proteção integral, localizadas nas Bacias Hidrográficas dos Rios São Francisco e Doce. “A prioridade é para as unidades que não dispõem dessas estruturas e que passarão a ter um design padrão, respeitando as características de cada unidade”, afirma. Os recursos para implantação das estruturas serão provenientes da compensação ambiental decorrentes da implantação de empreendimentos minerários, a chamada compensação minerária. (GA)