IFNMG recebe R$ 350 mil para três projetos sobre Covid-19

O Instituto Federal do Norte de Minas Gerais teve três projetos de pesquisa e extensão aprovados no edital do Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif) para enfrentamento da pandemia da Covid-19. Os projetos do Instituto receberão, somados, cerca de R$ 350 mil para o desenvolvimento das atividades. No total, o edital destinará R$ 6 milhões de reais para projetos de instituições de toda a Rede Federal. No inicio do mês o IFNMG já tinha recebido R$ 500 mil do MEC para aplicar em ações da Pandemia.

O primeiro projeto, a ser desenvolvido conjuntamente entre os campi Salinas e Janaúba, envolverá diferentes áreas do conhecimento na busca de detectar pessoas sem sintomas, mas que estejam com Covid-19; o outro projeto, do Campus Montes Claros, também tem por objetivo detectar pacientes com a doença, mas com um imunossensor; e o terceiro, proposto pelo Campus Pirapora, visa assessorar vendedores e consumidores locais para inclusão no comércio eletrônico.

O projeto “Detectar para enfrentar: Monitoramento e diagnóstico de casos oligossintomáticos de Covid-19 através de ferramentas digitais, geoespaciais e moleculares” receberá R$ 125 mil para financiar bolsas, testes rápidos, criação de website e equipamentos de laboratório para “detectar e monitorar casos prováveis de Covid-19 utilizando tecnologias de ciência da informação e de biologia molecular, para gerar um banco de dados georreferenciados que, por sua vez, auxiliará os sistemas de saúde municipais e regionais no acompanhamento da pandemia em tempo real e na tomada das decisões de enfrentamento”.

O projeto conta com a parceria das prefeituras de Salinas e Janaúba e será dividido em cinco fases: elaboração e aplicação de questionário; desenvolvimento de algoritmo para gerar saídas às respostas do questionário; disponibilização dos resultados em aplicativos e websites; georreferenciamento com construção de mapas diários para mostrar às prefeituras onde estão casos prováveis; formação de equipes volantes com profissionais da saúde dos municípios e do Instituto para visitar as pessoas com sintomas ou problemas psicológicos; e testagem sempre que houver indício de infecção.

Vale destacar que pelo fato de uma das principais limitações para enfrentamento da Covid ser justamente não saber quantas pessoas estão doentes, os métodos, os sistemas e a operacionalização deste projeto poderão ser adotados por outras instituições de ensino ou mesmo por prefeituras e gestores de saúde.