JANAÚBA ENLUTADA | Ataque suicida deixa seis crianças mortas em creche

Situação é tida como a maior tragédia, envolvendo crianças, já registrada no Norte de Minas e acontece exatamente uma semana antes do Dia das Crianças (Destaque - Foto: Natália Jael/Inter TV Grande Minas)

Seis crianças morreram queimadas e outras 9 ficaram gravemente feridas após um ataque suicida dentro do Centro Municipal Infantil ‘Gente Inocente’, em Janaúba, na manhã dessa quinta-feira (5). Quatro delas morreram no local do ataque e outras duas no meio da noite. Segundo informações extraoficiais, a professora Helley Abreu Batista, de 43 anos, que teve 90% do corpo queimado ao salvar dezenas de crianças também não resitiu e morreu. Ela estava internada em estado gravíssimo no hospital de Janaúba.

Apontado como provocador da tragédia, Damião Soares dos
Santos, também morreu (Foto: Divulgação/Redes Sociais)

Com isso, sobe para oito o número de mortos na tragédia. De acordo com o Samu, as crianças vitimadas têm entre três e cinco anos, e, além delas, há ainda três adultos feridos com gravidade. O causador da tragédia foi identificado como Damião Soares dos Santos, de 50 anos. Ele morreu poucas horas após o crime.

Segundo a Polícia Militar, era por volta de 9h30 quando o primeiro pedido de socorro foi registrado. A princípio, um incêndio atingira o local, no bairro Rio Novo, ferindo crianças e funcionários. Não demorou e os detalhes da tragédia vieram à tona. Por motivo ainda não esclarecido, Damião conseguiu acessar a creche e, de forma ágil, pulverizou um líquido combustível – possivelmente gasolina – no corpo de dezenas de crianças, em si próprio e ateou fogo.

A notícia logo se espalhou pela cidade, que tem pouco mais de 71 mil habitantes. Pânico, seguido de cenas de horror e comoção generalizada. Tudo isso agravado com a suposta motivação: Damião era vigia noturno da ‘Gente Inocente’ e teria agido para vingar seu afastamento do trabalho, por problemas psicológicos. Ainda segundo a PM, havia aproximadamente 60 crianças no educandário.

SOCORRO | Do Samu foram empenhados 40 profissionais e 11 Unidades de Suporte Avançado e Básico das bases de Montes Claros, Janaúba, Porteirinha, Capitão Enéas, Mato Verde, Jaíba e Monte Azul. O Corpo de Bombeiros, por sua vez, enviou todas as viaturas disponíveis para a ocorrência. Já a Polícia Militar, que auxiliou no socorro, disponibilizou ainda toda sua equipe médica do 51º Batalhão, com sede em Janaúba, além de um helicóptero. Outras duas aeronaves também foram empregadas.

Após os primeiros atendimentos no hospital de Janaúba, as vítimas passaram a ser transferidas para a Santa Casa de Montes Claros, onde um plano de contingência foi montado para atender à tragédia. Segundo o hospital, até as 19h30, 10 vítimas, nove delas crianças, já haviam sido transferidas, “todas em estado grave”, detalhou a assessoria de imprensa.

As transferências aéreas tiveram como base a Praça dos Jatobás, de onde ambulâncias recebiam as vítimas. Da praça até a Santa Casa, uma megaoperação, envolvendo dezenas de policiais militares e agentes da MCTrans, garantiu que nenhum imprevisto barrasse o socorro. Depois de deixar as vítimas em Montes Claros, as aeronaves retornavam carregadas com suprimentos hospitalares arrecadados por ações voluntárias.