Matias Cardoso pede ajuda para estado fazer Dia dos Geraes

O prefeito Edmárcio Moura, de Matias Cardoso, fez um apelo ao Instituto Histórico de Minas Gerais para cobrar do Estado a realização do Dia dos Geraes, em sua cidade, com o argumento de que o artigo 256 da Constituição Estadual determina que no dia 8 de dezembro seja comemorado o Dia do Geraes, conforme emenda a Constituição 89, de 7 de dezembro de 2011. Em seu discurso no Instituto Histórico, o prefeito alega que faltando menos de uma semana, nenhuma medida foi adotada pelo Estado. No início do ano, o governador Romeu Zema anunciou que extinguiria todas as medalhas em Minas Gerais, deixando apenas a dos Inconfidentes. O Dia do Gerais, sempre foi comemorado em 8 de dezembro na cidade de Matias Cardoso, onde foi construída a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, a mais antiga de Minas Gerais. Ali surgiu o primeiro povoamento em território mineiro.

Uma articulação está sendo realizada com as entidades de classes e bancada do Norte de Minas para no dia 8 de dezembro ser realizado o ato do Dia dos Geraes, neste ano em Montes Claros e nos anos posteriores, sempre em uma cidade histórica do Norte de Minas; quando seriam agraciados 10 homens com o Diploma Matias Cardoso e 10 mulheres com a Medalha Maria da Cruz. A articulação visa não deixar a data passar em branco, enquanto o Estado não decide se assumirá a sua função. O Dia dos Geraes foi criado em 2007, por iniciativa do Movimento Catrumano, em Montes Claros. Depois foi incorporado pelo Estado a partir de 2011.

No sábado, dia 30, o Instituto Histórico realizou discussão em Belo Horizonte, quando promoveu o seminário em homenagem ao Dia dos Gerais. A programação teve as palestras  com os temas “As datas cívicas do Estado de Minas Gerais - Art. 256, § 2º da Constituição Mineira”, pela advogada  Beatriz Coelho Morais de Sá, que é do Instituto Historico, quando ela relatou como se deu a criação de cada dia, os fatos históricos, políticos e pessoas do Movimento Catrumano criado em 2005 para reconhecer o Dia dos Gerais e a cidade de Matias Cardoso como primeiro povoado de nosso Estado.

Na segunda palestra, com o tema “O Simbolismo do Sertão”, pelo desembargador  Bruno Terra Dias, que foi juiz em Montes Claros, relatou  questões antropológicas, sociais, linguísticas, desde o descobrimento do Brasil até o povoamento em terras sertanejas. A terceira palestra teve como tema “Regiões Norte de Minas, Jequitinhonha e Mucuri e suas potencialidades”, por Alexandre Queiroz Guimarães, da Sheffield University e  da Escola de Governo Fundação João Pinheiro,  que falou sobre as potencialidades das regiões Norte, Jequitinhonha e Mucuri e apresentou dados recentes sobre os indicadores sociais e econômicos da região. A última palestra foi  “Maria da Cruz - Uma heroína do sertão”, por Regina Almeida, dos Institutos Históricos e Geográfico de Minas Gerais, de Pompéu e de Pitangui e da Academia Feminina Mineira de Letras e da Academia Marianense de Letras, que apresentou toda a história da heroína Maria da Cruz.