Casa de acolhimento feminino começa a funcionar em Moc

A Casa de Acolhimento Feminino de Montes Claros começa a funcionar essa semana e será inaugurada oficialmente no próximo domingo (4). Ela está situada no bairro Roxo Verde nas imediações do Colégio Marista São José e está sendo custeada por enquanto com doação de parceiros. É a primeira instituição feminina da cidade. No sábado foi realizada uma feijoada para arrecadar recursos que permitam custear as despesas iniciais. Além disso, o deputado federal Marcelo Freitas estará aplicando R$ 250 mil, depois que destinou R$ 1 milhão para o pastor Josmar Xavier e ele direcionou R$ 250 mil para a Casa de Acolhimento Feminino.

O coordenador da Casa de Acolhimento Feminino, Gregório Ventura explica que as duas primeiras internas deverão dar entrada nessa semana, antes mesmo da inauguração. A criação da casa foi discutida em 2017, mas ocorreu durante o I Seminário da Jornada Mundial dos Pobres que discutiu os direitos fundamentais das pessoas em situação de rua e dos pobres, em novembro de 2019. Uma das ações referendadas no Seminário foi a efetivação da Casa de Acolhimento Rosa Mística, voltada para atender mulheres em situação de rua, visando resgatar a estima e dignidade dessas mulheres. O espaço onde vai funcionar a casa acolherá mulheres com ou sem filhos, em situação de vulnerabilidade social, vindas das mais variadas situações de violência vivenciadas nas ruas.

Neste ano foi alugada uma casa, reformada e pronta para acolher as mulheres em situação de rua, com o apoio de diversas pessoas e entidades. Vencida a primeira etapa da estruturação, a equipe está em fase de ajustar o modelo da casa e as atividades diárias das mulheres na casa. Em seguida, haverá a triagem para acolher as primeiras moradoras. Terá refeitório, dormitórios, orientação psicológica, sala de acolhimento e escuta, além do espaço de oração.

A casa que acolherá mulheres em situação de rua que passarão por um período médio de até 18 meses. As mulheres beneficiadas do serviço serão encaminhadas por meio das entidades que já atuam na abordagem e assistência a população em situação de rua, tais como Pastoral de Rua, Consultório na Rua, Centro POP, equipe de abordagem da Prefeitura. (GA)