Norte de Minas apresenta o pior índice de isolamento

O Norte de Minas apresenta o pior índice de isolamento e distanciamento social do Estado, com percentual abaixo de 38%, enquanto o ideal seria próximo de 50%, conforme dados divulgados ontem de manhã pela Secretaria Estadual de Saúde, durante live realizada com os prefeitos e secretários municipais Saúde, para discutirem o projeto Minas Consciente e subsidiar as decisões dos municípios quanto às medidas de flexibilização das medidas de isolamento e distanciamento social a nova versão do Plano Minas Consciente. Os dados mostram a região com 101 óbitos, enquanto o levantamento do GAZETA indica 110 mortes.

A Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais realizou ontem a videoconferência com os prefeitos e gestores da Macrorregião de Saúde do Norte de Minas com o objetivo de alinhar novas ações para o enfrentamento da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. A reunião contou com a participação do secretário de Estado da Saúde, Carlos Eduardo Amaral; o subsecretário de Gestão Regional, Darlan Venâncio Thomaz Pereira; o chefe de gabinete da SES-MG, João Márcio Silva de Pinho; com a superintendente regional de saúde de Montes Claros, Dhyeime Thauanne Pereira Marques e a gerente regional de saúde de Januária, Ioná de Carvalho Lisboa. Além disso, cerca de 100 prefeitos e secretários municipais de saúde do Norte de Minas também participaram da videoconferência.

Durante o encontro foi realizada apresentação da versão atualizada do Plano Minas Consciente, por meio do qual os prefeitos e secretários de saúde tem condições de tomar decisões quanto à flexibilização do isolamento e distanciamento social visando conter a rápida disseminação do novo coronavírus. O Plano foi revisado a partir de consulta pública realizada pela SES-MG e prevê que as decisões dos prefeitos devem levar em conta os dados epidemiológicos que serão atualizados semanalmente.

A versão atualizada do Plano, que passa a valer a partir desta quinta-feira, 6 agosto, levará em consideração os seguintes indicadores para subsidiar as decisões do Comitê Extraordinário: taxa de incidência da covid-19; taxa de ocupação de leitos de UTI adulto por Covid-19; disponibilidade de leitos por cem mil habitantes; positividade atual da taxa de transmissão (RT-PCR); taxa de incidência e percentual de aumento da positividade dos exames PCR.

O secretário Carlos Eduardo Amaral chamou a atenção para o fato de que a propagação do novo coronavírus em Minas Gerais está acontecendo de forma diferenciada. Enquanto nas regiões Central, Sul e Metropolitana de Belo Horizonte o vírus se disseminou de forma mais acelerada, no Norte de Minas isso retardou, com o número de casos estando em elevação nos últimos quinze dias. Daí a necessidade dos prefeitos e secretários de saúde do Norte de Minas estarem atentos quanto à tomada de decisões sobre as medidas de flexibilização das medidas de isolamento e distanciamento social, visto que a região ainda não atingiu o pico de casos de Covid-19 registrados em outras regiões do Estado”, alertou o secretário.

 

 

 

Especialista fala sobre as mortes registradas por Covid-19

 

O chefe de gabinete da SES-MG, João Pinho lembrou que, até o momento, a Macrorregião de Saúde do Norte de Minas “tem notificados 101 óbitos por Covid-19 e apresenta o pior índice de isolamento e distanciamento social do Estado, com percentual abaixo de 38%, enquanto o ideal seria próximo de 50%. Por isso, para subsidiar as decisões dos prefeitos quanto às medidas de flexibilização das medidas de isolamento e distanciamento social a nova versão do Plano Minas Consciente possibilita que os prefeitos tomem decisões baseadas nos dados epidemiológicos da microrregião na qual o seu município está inserido evitando, com isso, a possibilidade de ocorrência de uma explosão de casos de Covid-19 o que, consequentemente, aumentará as demandas nos serviços de saúde”.

Municípios com até 30 mil habitantes e que tenham menos de 50 casos notificados de Covid-19 por 100 mil habitantes poderão adotar medidas de flexibilização levando em conta a Onda Amarela do Programa Minas Consciente que passa a ter três faixas: Onda Vermelha (alto risco de disseminação do novo coronavírus e pela qual só é permitido o funcionamento de serviços essenciais); Onda Amarela (risco intermediário) permite o funcionamento de todas as atividades não essenciais); e Onda Verde (baixo índice de disseminação do vírus, permite a abertura de museus, academias de ginastica, entre outros serviços).

O subsecretário de Gestão Regional, Darlan Pereira salientou que para dar subsídios e acompanhar as decisões de prefeitos e secretários de saúde quanto ao enfrentamento da Covid-19 a SES-MG vai intensificar a realização de videoconferências com as macrorregiões de saúde de todo o Estado, a fim de que as decisões sejam tomadas de forma compartilhada e baseadas em dados técnicos.

Por sua vez o coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Defesa da Saúde de Minas Grais (Cao-Saúde), Luciano Moreira de Oliveira explicou que a Deliberação 17 que prevê as medidas de saúde a serem adotadas pelos municípios tem caráter vinculante. Já os prefeitos que desejarem adotar medidas de flexibilização da economia tem o Programa Minas Consciente como opção de adesão, no sentido de tomarem decisões com base em critérios técnicos levantados pelo Governo do Estado. “Como órgão de controle, o Ministério Público espera que as decisões tomadas pelos prefeitos tenham fundamentação técnica e jurídica”, reforçou o coordenador.

A superintendente regional de saúde de Montes Claros, Dhyeime Marques entende que “a troca de informações entre a SES-MG com prefeitos e gestores de saúde da Macrorregião do Norte de Minas fortalece as tomadas de decisões e troca de experiências o que, consequentemente proporciona uma melhor organização dos serviços e, consequentemente, viabiliza a assistência às demandas da população”.  (GA)